Instituto de Defesa realiza planejamento na região do Alto Acre

Coordenadores das unidades do Idaf na região do Alto Acre e Capixaba participam do planejamento das ações para 2017 (Foto: Leônidas Badaró)

Planejar para executar com eficiência. É com esse objetivo que o Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Acre (Idaf) deu início ao planejamento dos programas de defesa animal e vegetal que serão realizados ao longo do ano nas unidades do interior do estado.

Nesta terça-feira, 24, os coordenadores do Idaf na região do Alto Acre começaram a fazer uma avaliação das ações e resultados alcançados no ano passado e definir as metas para 2017.

Reunidos no auditório do Ministério Público em Brasileia, a reunião foi aberta pelo diretor-presidente do Idaf, Ronaldo Queiróz, que enfatizou a necessidade do planejamento, já que 2016 foi um ano de muito sucesso para a instituição.

Ronaldo Queiróz, diretor-presidente do Idaf, abre o planejamento da instituição na região do Alto Acre (foto: Leônidas Badaró)

“Nosso desafio é tentar superar o que alcançamos no ano passado. Nas duas campanhas de vacinação contra a aftosa conseguimos índices recordes, além do reconhecimento, pela Organização Mundial de Saúde Animal do Acre, como zona livre da peste suína clássica.”

Queiróz enalteceu ainda que o Alto Acre sempre requer uma atenção especial, por fazer fronteira com a Bolívia e o Peru. “As regiões de fronteira precisam de uma vigilância ainda mais constante. Precisamos coibir o contrabando de animais, plantas, sementes ou qualquer produto de origem animal ou vegetal.”

Bovinos da região representam mais de 25% do rebanho acreano

Além da posição estratégica de fronteira, a quantidade de animais criados na região também é significante. O rebanho bovino, por exemplo, nos municípios de Assis Brasil, Brasileia, Epitaciolândia, Xapuri e Capixaba, que por uma questão logística também participa do planejamento, é de 780, 9 mil animais distribuídos em pouco mais de 6 mil propriedades. O que representa 26% do rebanho acreano, estimado em quase três milhões de bovinos.

“A gente tem na nossa região uma preocupação especial por causa da fronteira com o Peru e a Bolívia e, consequentemente, a possibilidade de acontecer mais variáveis. Por isso, é tão importante o planejamento”, destaca Fábio Pires, coordenador regional do Idaf no Alto Acre.

Durante o encontro já foram anunciadas algumas boas novidades para a execução dos trabalhos desenvolvidos pelo Idaf, entre eles a reforma da estrutura física das unidades de Capixaba e Xapuri, além da aquisição de novos veículos e a recuperação da frota já existente. O planejamento termina na próxima sexta-feira, 27.