articulação

Estado articula ações de combate à violência contra as mulheres

Tendo em vista que no mês de março o distanciamento social foi uma das principais medidas de combate ao novo coronavírus (Covid-19), o isolamento se tornou uma ameaça às mulheres que sofrem violência doméstica em outros países, segundo a ONU Mulheres. 

Para que casos de violência doméstica familiar sejam evitados neste período, o Governo do Estado por meio do Gabinete da Primeira-Dama Ana Paula Cameli, a Patrulha Maria da Penha e a Secretaria de Estado de Assistência Social, dos Direitos Humanos e de Políticas para as Mulheres (SEASDHM) se reuniram na Casa Civil, nesta quarta-feira, 1º, para propiciar ações que garantam a proteção das mulheres vítimas de violência doméstica e familiar. 

“A rede de proteção à mulher tem realizado um trabalho muito importante, mas todos os cuidados devem ser redobrados neste período”, salientou a primeira-dama do Estado, Ana Paula Cameli Foto: Neto Lucena/Secom

Para a primeira-dama, Ana Paula Cameli, esse é o momento em que casos de violência tendem a aumentar e medidas de urgência precisam ser tomadas. 

“A rede de proteção à mulher tem realizado um trabalho muito importante, mas todos os cuidados devem ser redobrados neste período. Acredito no trabalho de prevenção executado pela nossa Patrulha Maria da Penha e precisamos, como Estado, fortalecer toda e qualquer ação para a proteção de nossas mulheres e crianças”, evidenciou Ana Paula Cameli. 

Major Alexsandra Rocha, coordenadora da Patrulha Maria da Penha no Acre Foto: Neto Lucena/Secom

De acordo com a Major Alexsandra Rocha, coordenadora da Patrulha Maria da Penha no Acre, a reunião realizou-se para apresentar a primeira-dama do Estado os índices que se mantiveram no Acre e programar ações para o mês de abril. 

“Não tivemos picos maiores de violência como nos outros Estados brasileiros. Em janeiro tivemos 571 casos e em março foram registradas 573 ocorrências, ou seja, mantivemos os números, fruto de um trabalho executado pelo Gabinete da Primeira-Dama, SEASDHM em parceria com a Patrulha Maria da Penha. Estamos acompanhando as mulheres em medidas protetivas, obedecendo as recomendações da Secretaria de Estado de Saúde e a Organização Mundial de Saúde (OMS)”, explicitou a Major Alexsandra Rocha. 

A rede de proteção neste mês de abril estará distribuindo os panfletos com o tema: “Quarentena sem Violência – Não se Cale, Denuncie!”, para todas as mulheres que estão em quarentena. 

Panfleto “Quarentena sem Violência” da rede de proteção as mulheres. Imagem: Tribunal de Justiça do Acre

A Patrulha Maria da Penha executa um trabalho de proteção nas residências das mulheres com medidas protetivas. Nestes dias de distanciamento social, em consequência da Covid-19, não estão entrando nas casas, mas conversam com as mulheres da calçada para a proteção delas e da patrulha.  

“Muitas mulheres ainda não se atentaram para o ciclo de violência que são expostas. O trabalho de modo transversal entre as instituições robustece essa luta”, ressaltou a secretária Claire Cameli Foto: Neto Lucena/Secom

Para a secretária de Estado, Claire Cameli, o trabalho deve continuar sendo consolidado em razão dos altos índices de feminicídio, exatamente das mulheres que não possuem medida protetiva e ainda não denunciaram seus agressores. 

“Muitas mulheres ainda não se atentaram para o ciclo de violência que são expostas. O trabalho de modo transversal entre as instituições robustece essa luta.  No dia a dia a mulher já enfrenta muitos desafios para ter coragem de denunciar. Dentre elas os obstáculos emocionais, o medo do agressor cometer ainda mais violência, de não ser acolhida pelos órgãos públicos, o cuidado com os filhos, a dependência financeira e tantos outros motivos. E o Estado entra para dar conhecimento dos direitos dessas mulheres e das políticas que lhe asseguram”, ressaltou a secretária Claire Cameli.