E nasce uma cidade! – artigo

(Foto: Sérgio Vale/Secom)
Cidade do Povo realiza do sonho da casa própria, da moradia digna e do bem-estar social (Foto: Sérgio Vale/Secom)

Recordo quando estive pela primeira vez na área onde seria construída a Cidade do Povo, em Rio Branco. Pensar em como seria ocupado aquele grande pedaço de terra era um desafio à imaginação. A visão da maquete ajudava na visualização, mas não oferecia toda a dimensão do que seria transformar em concreto o que parecia um sonho.

Para os pessimistas, a proposta de Tião Viana era duvidosa, mas ele e sua equipe responderam com trabalho e dedicação, colocados nessa obra. Cada etapa concluída nos fazia e faz vibrar. Aos poucos registramos cada parede que se ergueu, cada metro de asfalto que passou a ocupar o lugar da terra batida e foi-se criando espaço para o surgimento de ruas e avenidas. Sem falar nas cores que foram dando vida ao lugar e, principalmente, da emoção das primeiras famílias que passaram a habitar o tão almejado novo bairro de Rio Branco, que mais parece uma pequena cidade.

A ida dessas famílias para a Cidade do Povo e a consolidação do projeto partiu de uma iniciativa louvável do governo do Estado e do governo federal – por meio do Programa Minha Casa, Minha Vida (MCMV), que proporciona, a custo zero, às primeiras 3.348 famílias oriundas das áreas de risco, a realização do sonho da casa própria, da moradia digna e do bem-estar social.

Aos poucos, cada um vai colocando ali o seu jeitinho. Casas que já ganharam uma área nos fundos, novas cores nos quartos, jardins e por aí vai. Com a orientação de base dos Pequenos Negócios, alguns já garantiram sua “vendinha” para ganhar um dinheiro que complementa a renda familiar. E assim essa cidade vai ganhando corpo, alma e a identidade acreana.

Aliás, se há uma coisa que foi pensada foi exatamente o conceito e a identidade dessa cidade, que prioriza a qualidade de vida. Serão ao todo 10.518 casas, em uma área de aproximadamente 700 hectares. O projeto demonstra, em sua concepção, um plano desenvolvido com base na sustentabilidade e visa implantar um Centro de Monitoramento Ambiental Integrado, executando projetos de arborização ao longo de suas vias.

Moderna, a Cidade do Povo também terá a primeira escola de gastronomia do Acre, um projeto idealizado pela primeira-dama do Estado, a arquiteta Marlúcia Cândida, que reconhece a riqueza dos sabores da terra e aposta na qualificação e profissionalização como fatores essenciais para acompanhar o crescente desenvolvimento que vivemos.

Além das casas, a Cidade do Povo conta com uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) disposta a atender não só os 50 mil moradores previstos para viver no empreendimento, mas, ainda, em conjunto com a UPA do Segundo Distrito, estenderá o atendimento médico a todos os bairros adjacentes.

Postos de atendimento da Polícia Civil, do Corpo de Bombeiros Militar, da Polícia Militar e escritório técnico das secretarias de Obras e Habitação, entre outros órgãos de governo, já atendem os moradores, na sede administrativa.

A fim de garantir o acesso à educação e ao ensino profissionalizante, escolas de ensino infantil, fundamental e médio estão sendo construídas, um Centro de Educação Profissionalizante (CEP), além da Escola de Gastronomia e Hospitalidade. As instituições irão contribuir não só para a qualificação profissional de milhares de jovens e adultos, mas para a oportunidade e a inserção no mercado profissional.

Ontem observei, por outro ângulo, uma novidade cheia de alegria, em um vídeo com imagens aéreas da Cidade do Povo: a Praça da Juventude. Um espaço que dispõe de Teatro de Arena com capacidade para até cem pessoas, mais quadra poliesportiva com sanitários e vestiários, campo de futebol society, quadra de vôlei de areia e prédio para administração.

Observar as imagens só fez aumentar o orgulho, a alegria e o contentamento que sinto em ver a realização desse projeto e toda sua dimensão. É uma imensidão que concretiza sonhos, renova a esperança e constrói um novo futuro, com oportunidade, bem-estar social e um modo de vida que, para muitos, há tempos, só existia em sonho.

*Jornalista, secretária adjunta de Comunicação