Acre participa de evento mundial de tecnologia educacional

Scratch Day foi no sábado, 14 (Foto: Rayele Oliveira)
Scratch Day foi no sábado, 14 (Foto: Rayele Oliveira)

Realizou-se no sábado, 14, o evento mundial de tecnologia educacional – o Scracth Day -, em mais uma edição. Em Rio Branco, alunos da rede pública de ensino participaram no Colégio de Aplicação (CAP), das 14 às 16 horas.

Estudantes já criam os próprios jogos na plataforma (Foto: Rayele Oliveira)
Estudantes já criam os próprios jogos na plataforma (Foto: Rayele Oliveira)

Os estudantes que utilizaram a plataforma do Scrat, ferramenta computacional desenvolvida pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), fazem parte do curso de Introdução à Lógica Computacional e Robótica.

O LEGO Mindstorm, conhecido como robótica educacional e constituído de peças Lego, sensores de luz, toque e som que permitem a criação de robôs autônomos, é outra ferramenta adotada como metodologia de ensino.

O curso é realizado pelo Colégio de Aplicação da Universidade Federal do Acre (Ufac), em parceria com o governo, por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Acre (Fapac), com recursos do Ministério das Comunicações e contrapartida do Estado.

Foram destinadas 60 vagas a estudantes dos períodos 6° e 7° anos, com o intuito de ensinar de forma lúdica a habilidade de programar. No momento, 13 escolas estão sendo contempladas. O professor Luziel Souza destacou que “essa é uma geração que já nasce conectada e tem a oportunidade de descobrir o que existe por trás da tecnologia”.

Maria Eduarda declarou sua paixão pelo universo tecnológico (Foto: Rayele Oliveira)
Maria Eduarda declarou sua paixão pelo universo tecnológico (Foto: Rayele Oliveira)

Ampliando conhecimentos

O material utilizado também é uma forma de incentivar os alunos a aprofundar o contato com a língua estrangeira: o inglês. Wallyson de Lima, 11 anos, já desenvolve sem precisar utilizar o português. Ele conta o porquê: “Por conta das aulas mesmo e da ferramenta que a gente usa, eu quis fazer tudo em inglês e quando não sei de alguma palavra procuro me informar”.

Wallyson afirma que prefere desenvolver projetos utilizando o inglês (Foto: Rayele Oliveira)
Wallyson afirma que prefere desenvolver projetos utilizando o inglês (Foto: Rayele Oliveira)

Assim como Wallyson, a estudante Maria Eduarda Azevedo comenta o que a levou a ter interesse por descobertas tecnológicas. “Desde que comecei a mexer em computador, já queria saber mais, e eu mesma procurava vídeos no YouTube. O curso é uma experiência surpreendente, porque a gente aprende que se pode criar tudo.”

A diretora técnico-científica da Fapac, Catarina Almeida, falou da importância de apoiar iniciativas como essa. “O governo aposta em projetos como esse, que faz adolescentes saírem de casa num sábado em busca do que pode ser novo. E daqui podem surgir novas ideias, novos programas de potência e fomento à tecnologia”, declarou.

Luciana Orgando, coordenadora do curso e professora de inglês, concluiu: “Não queremos que eles sejam apenas usuários e consumidores da tecnologia, mas criadores de tecnologia”.