Violência cai pela metade com Operação Papai Noel

Na comparação com dezembro de 2007, homicídios diminuíram 22% no ano passado. Roubos foram reduzidos em 3,4%

segurana_.jpg

Política do Governo do Estado voltada à regionalização e às ações baseadas no policiamento comunitário é um dos principais responsáveis pelo bom resultado da operação (Foto: Sérgio Vale/Secom)

Desencadeada durante todo o fim do ano passado pela Polícia Militar, a Operação Papai Noel obteve resultados expressivos no Acre. Comparando-se com o mesmo período de 2007, a violência caiu 54%. O número de homicídios,  por exemplo, reduziu-se em 22% na comparação dezembro 2007/dezembro 2008. Os roubos diminuíram 3,4%.

Os números foram divulgados nesta quarta-feira, 7,  pelo secretário interino de Segurança Pública,  Ermício Sena, e a cúpula da PM. O bom resultado se deve a vários fatores, mas, principalmente, pela política do Governo do Estado voltada à regionalização e às ações  baseadas no policiamento comunitário. "Os batalhões estão absorvendo essa doutrina, a da polícia comunitária", disse o tenente-coronel Mário César.

"A segurança é de responsabilidade do Estado e dever de todos. Portanto, a participação da população é fundamental no enfrentamento à violência", disse o coronel Francisco Ramalho, subcomandante da PM.  Ermício Sena confirmou que, com recursos do Programa Nacional de Segurança com Cidadania (Pronasci), o Governo do Acre irá adquirir pelo menos 100 novas viaturas para as polícias e organismos ligados à segurança.  Além disso, o enfrentamento à criminalidade contará com aliados tecnológicos, como o sistema de videomonitoramento. Serão implantadas mais 50 câmeras em toda a região urbana de Rio Branco. Cruzeiro do Sul e Brasiléia, municípios incluídos no Pronasci, também contarão com essa tecnologia. "Temos um desafio que é garantir equipamento de proteção individual para todos os policiais", disse Sena.

Além da ampliação do policiamento ostensivo, a Operação Papai Noel ofereceu  palestras e panfletos com dicas de prevenção contra assaltos e furtos. Os pontos escolhidos foram os centros comerciais, locais que costumam receber grande fluxo de pessoas nos fins de ano.