Tião Viana diz que sua meta como detentor de cargo público é ajudar no combate às desigualdades

Matéria da Agência Senado fala de algumas das metas de Tião Viana: tornar o Senado mais transparente, reduzir a burocracia e ampliar os canais de comunicação com a sociedade

Médico infectologista especializado em Medicina Tropical, o senador Tião Viana (PT-AC) costuma dizer que sua principal meta como detentor de um cargo público é ajudar a nação brasileira a progredir e a pôr fim às desigualdades sociais. Franqueza, objetividade e economia de tempo e de trâmites burocráticos prometem ser suas marcas se ele for eleito para presidir o Senado.

Nascido em Rio Branco (AC), no dia 9 de fevereiro de 1961, Sebastião Afonso Viana Macedo Neves tem três filhos. É católico, vai à missa todos os domingos e, em sua página na Internet, pontifica atualmente o pensamento de Mahatma Gandhi: "a força não provém da capacidade física e sim de uma vontade indomável. Se queremos progredir, não devemos repetir a história, mas fazer uma história nova. O futuro dependerá daquilo que fazemos no presente."

Em 2007, como vice-presidente da Casa, Tião Viana assumiu a presidência no auge da crise que levou o senador Renan Calheiros (PMDB-AL) a afastar-se. Logo que assumiu, venceu a paralisia que, há cinco meses, marcava as votações do Plenário. Tem o hábito de acordar cedo e é frequentemente visto chegando ao Senado às 7h30 da manhã, depois de deixar os filhos pequenos na escola.

Embora reconheça os esforços que o Senado tem feito para adequar-se a um mundo globalizado e mais próximo da população, Tião Viana acha que o Parlamento ainda está longe de oferecer o que dele espera a sociedade brasileira. Para o senador acreano, falta ao Legislativo situar-se como o lugar do grande debate, da iniciativa eficaz e do enfrentamento dos desafios do país. Ao exercer em 2007 a presidência da Casa, ele disse que sua maior preocupação foi com a defesa do Parlamento e com a sua transparência.

– A visibilidade de suas ações fará do Senado uma instituição mais forte, o que é decisivo para uma democracia mais forte. Minha preocupação é com a busca de paradigmas do tamanho da instituição, é com a construção de uma agenda, não do tamanho das pequenas crises, mas do tamanho do Brasil.

Tornar o Senado mais transparente, reduzir a burocracia e ampliar os canais de comunicação com a sociedade estão entre as metas de Tião Viana na sua campanha para conduzir nos próximos dois anos essa Casa do Legislativo. Entre suas ideias, caso seja eleito, está a de levar uma comissão de senadores ao Congresso americano para ver de perto como funciona o Capitólio e saber o que é possível importar daquele modus operandi para o Congresso brasileiro.

O maior propósito de Tião Viana é oxigenar o Senado, renovar a atividade legislativa e fazer as decisões congressuais superarem a oratória na rotina do Parlamento. Se tiver êxito na implantação de suas idéias, serão significativamente reduzidos o tempo dos oradores em Plenário, assim como os discursos marcados por divagações sobre assuntos alheios às necessidades da população e para Plenários praticamente vazios.