Tião Viana sai em defesa da carne do Acre

Tião Viana frisou que menos de 0,5% das empresas do setor (Foto: Sérgio Vale/Secom)

União. Essa é a palavra de ordem do governador Tião Viana e de sua equipe de governo para com os pecuaristas do Acre neste momento que se instaura uma crise no setor após a realização da operação Carne Fraca, deflagrada pela Polícia Federal. Durante encontro com a categoria, na tarde desta quarta-feira, 22, Tião Viana assegurou que atuará no apoio aos empresários e pecuaristas.

“É necessária à união numa hora de crise grave da economia nacional com repercussão. Temos que mostrar que a tragédia foi instalada por um ato de emoção, um ato impensado”, pontuou o governador.

Tião Viana frisou que menos de 0,5% das empresas do setor, das mais de quatro mil existentes no Brasil, apresentaram falhas. “Boing, empresa de aviação mundial da maior qualidade, trabalha com 1% de margem de falha. O questionamento que fica é: por que não resolver isso pontualmente? Sabemos que a melhor carne do mundo é a brasileira, cuidada com todo rigor sanitário”, destacou Tião.

Assuero Veronez disse que a classe precisa reagir mostrando a população que pode confiar na carne produzida no Acre (Foto: Sérgio Vale/Secom)

No encontro, o governador disse que está disposto a ser um interlocutor entre a categoria e os bancos do Brasil e da Amazônia para que haja um aporte de crédito para o setor que deverá enfrentar uma crise que ainda não pode sequer ser mensurada.

“Vamos discutir uma proposta de juros diferenciados para que todos possam atravessar esse momento crítico. É importante também que tenhamos o apoio da bancada federal, independente de legenda partidária, assim como das demais instituições”, disse o governador.

O presidente da Federação da Agricultura do Acre (Faeac), Assuero Veronez, classificou a ação envolvendo a operação deflagrada como um “ataque violento à pecuária brasileira”.

Na análise de Veronez, será difícil juntar os cacos, mas ele fez um chamamento para que os pecuaristas que atuam no Acre reajam em respeito ao trabalho que é realizado desde os seus ancestrais. “A carne é um patrimônio do Acre. É economicamente importante. Temos que reagir mostrando a população que podem ter confiança em nosso produto porque tudo é feito respeitando as regulamentações sanitárias, com maior esmero”, afirmou Assuero Veronez.

Para José Adriano, da Fieac, união será fundamental nesse momento (Foto: Sérgio Vale/Secom)

O presidente da Federação das Indústrias do Acre (Fieac), José Adriano Ribeiro, lembrou os milhares de empregos que o setor gera em todo o país e manifestou o apoio da Federação aos pecuaristas do Acre. José Adriano reforçou o pedido de união proposto pelo governador Tião Viana. “Se a gente trabalhar junto consegue fazer um movimento muito maior”, concluiu o presidente da Fieac.

Ao final do encontro, ficou definido que os representantes do setor devem se reunir com parlamentares da bancada do Acre em Brasília e com demais entidades que atuam na área do agronegócio para que providências sejam tomadas e tentar minimizar os danos causados pela crise já instaurada.