Tecnologia Acreana vence prêmio e recebe troféu das mãos de Lula

Encauchados de vegetais da Amazônia consiste no beneficiamento do látex nas comunidades

lulaindio.jpg

Lula entrega prêmio ao representante do projeto Encauchado de Vegetais da Amazônia, Antonio José de Albuquerque Kaxinawá (Foto: Ricardo Stuckert/Presidência da República)

A tecnologia Social dos Encauchados de Vegetais da Amazônia foi uma das grandes vencedoras do Prêmio Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, ocorrido no último dia 24 de Março, em Brasília-DF. Esta tecnologia consiste na pré-vulcanização do látex e adição de nanopartículas vegetais, sendo que o produto final pode ser transformado em diversos produtos com mercado garantido. Todo o trabalho é feito nas próprias comunidades, que também realizam a comercialização. A tecnologia foi desenvolvida pelo Pólo de Proteção da Biodiversidade e Uso Sustentável dos Recursos Naturais (Poloprobio), com as parcerias do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), do Programa Biodiversidade Brasil/Itália, do Banco da Amazônia (Basa) e da Universidade Federal do Acre (Ufac).

O prêmio foi recebido pelo indígena Antonio José de Albuquerque Kaxinawá (Terra Indígena Kaxinawá de Nova Olinda, Feijó-AC) diretamente das mãos do presidente da República, Luis Inácio Lula da Silva. O evento contou com a participação de centenas de pessoas, entre autoridades e agraciados, e ocorreu no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília.

A replicação desta tecnologia tem se traduzido em ganhos para as comunidades extrativas do Estado, notadamente indígenas e seringueiros. Atualmente os ‘Encauchados’ estão presentes nas cidades de Feijó, Tarauacá, Sena Madureira e Brasiléia, no Acre, com unidades no Amazonas, Rondônia e Pará. Os produtos variam de mantas vegetais até embalagens e bolsas.

Muitos países do mundo não vão atingir as metas do milênio estabelecidas em 2000 pela Organização das Nações Unidas (ONU) para serem cumpridas até 2015, mas o Brasil não só cumprirá os oito objetivos propostos como deverá superar vários deles, afirmou o presidente Lula durante a solenidade de premiação da 3ª edição do Prêmio Objetivos do Milênio (ODM) Brasil, realizada em Brasília. A solenidade premiou as 20 iniciativas premiadas das 1.477 inscritas na terceira edição do Prêmio, realizada em 2009.

Beneficiamento de látex é a cara dos povos da floresta

Durante cerimônia de entrega dos prêmios da 3ª edição do Prêmio Objetivos do Milênio (ODM) Brasil, o representante do projeto Encauchado de Vegetais da Amazônia, Antonio José de Albuquerque, chamava atenção não só pelo enorme cocar que ostentava, mas também pela felicidade estampada no rosto. O motivo era a "borracha do índio", projeto que ele integra com mais 580 índios e seringueiros.

O Encauchado é a cara do seu povo, afirma Albuquerque, "já que respeita o nosso jeito de não juntar dinheiro", disse ele. O pesquisador das Universidades Federal do Pará e do Acre, professor Francisco Samonek, reforça o coro: "esse projeto respeita o tempo, a cultura e as necessidades dos povos que o integram".

O Encauchado moderniza sistema artesanal de beneficiamento do látex, garantindo o aumento de renda para as duas populações envolvidas e funciona em quatro estados da Amazônia.