Sertanista acreano é convidado para discutir proteção ao isolamento

Pesquisadores brasileiros visitaram o ultimo local de aparição dos isolados no Peru (Foto: Cedida)
Pesquisadores brasileiros visitaram o último local de aparecimento dos isolados no Peru (Foto: Cedida)

Por ser referência no contato com índios isolados, o sertanista José Carlos Meirelles, da Assessoria Especial de Assuntos Indígenas do Acre, representou o estado, a convite do Ministério da Cultura de Madre de Díos, no Peru, na equipe de pesquisadores brasileiros que auxiliou o governo peruano na adequação do plano de contingência, com o objetivo de proteger o isolamento dos moradores da região.

De acordo com relatos dos povos indígenas Matxiguenga, que habitam uma região na cabeceira do Rio Madre de Díos, está cada dia mais constante a aparição de índios da etnia Mashco. Os Mashcos são povos isolados, considerados caçadores e coletores, ou seja, eles não fixam moradia e ocupam um território grande. Há registros da aparição dos Maschos em pelo menos quatro regiões diferentes.

José Meirelles e mais dois brasileiros – o médico da Escola Paulista de Medicina do Brasil e coordenador do projeto de Saúde Indígena do Xingu, Douglas Rodrigues, e o pesquisador Glen Shapard – estiveram na comunidade Shepitiare, local onde foi registrada a aparição mais recente dos Mashcos, ainda em fevereiro deste ano.

Para Meirelles, o governo peruano deve dar atenção para o problema, principalmente na área de saúde. “O aparecimento foi registrado em vídeos, em que eles estão a três metros de distância dos agentes de proteção. A aproximação é suficiente para a transmissão de vírus”, explicou.

Isolados no Acre

Atualmente, o Acre registra a existência de quatro povos indígenas isolados. O último contato realizado e mediado pelo sertanista José Meirelles foi com o povo Txapanawa, na região do Rio Envira, em junho de 2014.

Além de oferecer tratamento de saúde para os índios que fizeram o primeiro contato e logo depois adoeceram, equipes de saúde do Estado atualizaram o calendário de vacinas dos indígenas. A última aparição registrada de isolados foi na Aldeia Simpatia, dos povos Ashaninka.