Senadinho comemora o Dia Nacional do Idoso

Com direito a bolo, refrigerante e muita música, visitantes da "melhor idade" festejaram a data

aniversario_senadinho_02.jpg

Bolo confeitado para a festa especial no Senadinho (Foto: Nonato Souza)

senadinho_01.jpg

Espaço tem programação diária com música e dança (Foto: Gleilson Miranda/Arquivo Secom)

A manhã desta quarta-feira foi especial para os frequentadores do Senadinho, em Rio Branco. Além da festa dançante, carro-chefe das atividades da casa realizada quase que diariamente, os visitantes também foram brindados com refrigerantes, doces, salgadinhos e bolo. A festa foi motivada como comemoração do Dia Nacional do Idoso, nesta quinta-feira, 1º de outubro.

O administrador do Senadinho, Wilson Araújo, 56, disse que todas as despesas para a preparação da festa vieram de cotinhas feitas entre os frequentadores mais assíduos. O secretário adjunto de Gestão de Contratos e Licitações (Gestão Administrativa), Andrias Sarkis, cumprimentou os idosos representando o Governo do Estado, e um pastor evangélico fez a parte litúrgica da comemoração.

O Dia do Idoso foi estabelecido em 1999 pela Comissão de Educação do Senado Federal e serve para refletir a respeito da situação do idoso no país, seus direitos e dificuldades. A população no mundo está ficando cada vez mais velha e, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), por volta de 2025, pela primeira vez na história, haverá mais idosos do que crianças no planeta.

O Brasil, que já foi celebrado como o país dos jovens, tem hoje cerca de 13,5 milhões de idosos, que representam 8% de sua população. Em 20 anos, o país será o sexto no mundo com o maior número de pessoas idosas. O dado serve de alerta para que o governo e a sociedade se preparem para essa nova realidade não tão distante.

O avanço da medicina e a melhora na qualidade de vida são as principais razões dessa elevação da expectativa de vida em todo o mundo. Apesar disso, ainda há muita desinformação sobre as particularidades do envelhecimento, e o que é pior: muito preconceito e desrespeito em relação às pessoas da terceira idade, principalmente nos países pobres ou em desenvolvimento. Hoje no Acre, a população idosa corresponde a 5,44% do Estado, ou seja, 37.403 pessoas têm mais de 60 anos

* Com informação do www.portaldafamilia.org.br