Saúde investe intensivamente no combate à malária

A entrada dos agentes de endemias nas residências e suas orientações previnem novos casos (Foto: Sérgio Vale/Secom)
A entrada dos agentes de endemias nas residências e suas orientações previnem novos casos (Foto: Sérgio Vale/Secom)

O combate à malária no Acre é uma luta antiga e está inserida no contexto de ações da Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre). Um conjunto de estratégias e ações visa alcançar a melhoria da saúde da população que reside nas regiões mais endêmicas.

Por ano, o Estado investe mais de R$ 9 milhões na realização das ações de controle da malária nos municípios de maior ocorrência da doença (Cruzeiro do Sul, Mâncio Lima, Rodrigues Alves, Porto Walter e Marechal Taumaturgo).

“A integralidade das ações em busca do aprimoramento da rotina de serviço foi um dos pontos essenciais para que a redução da malária nas regiões endêmicas começasse a apresentar o impacto esperado”, ressalta a gerente do Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Controle de Endemias da Sesacre, Thayna Holanda.

Thayna explica que vários fatores serviram de alicerce para a estruturação da rotina e o fortalecimento das ações, como decisão política, diagnóstico precoce e de qualidade, tratamento oportuno e eficiente, controle de vetores seletivo e integrado, mobilização social, qualificação técnica, ações inter-setoriais e fortalecimento da gestão local.

Ações de rotina no combate à malária

As ações de prevenção são realizadas diariamente, pois o que contribui para a redução dos casos de malária são borrifação residual nas residências (dedetização), busca ativa de casos (os agentes colhem amostras de sangue dos moradores para exame), monitoramento do uso dos mosquiteiros impregnados com inseticida que não prejudicam a saúde humana e afastam o mosquito e a entrega de medicamento para tratamento nas residências.