Saúde lança campanha contra a poliomielite

A primeira etapa da Campanha Nacional de Vacinação contra a poliomielite 2008 vai ser realizada no início de junho, com ações que mobilizam as secretarias de saúde municipais, estaduais e o Ministério da Saúde para a vacinação das crianças de 0 a 5 anos. Esse ano o slogan é Paralisia Infantil: Tem que vacinar, não pode bobear. O objetivo da campanha é mobilizar todos os municípios do Estado para que atinja o mínimo de 95% de cobertura vacinal, o que é primordial para a erradicação da poliomielite no Brasil. Nas áreas de difícil acesso e na zona rural a campanha foi antecipada devido às condições climáticas em alguns municípios nessa época do ano, garantindo, assim, a vacinação das crianças nessa faixa etária.

Segundo a Gerente do Programa Estadual de Imunização – PNI, Maria Auxiliadora de Holanda, em 2007, na 1ª etapa, o Acre não atingiu a meta nacional fazendo uma cobertura vacinal de apenas 91,30%, correspondendo 85.053 de crianças vacinadas. Apenas dois, dos 22 municípios, não alcançaram a meta prevista: Plácido de Castro e Rio Branco.

Já na segunda etapa os índices ultrapassaram a meta, deixando a cobertura vacinal do Estado em 96,50%, aproximadamente, 90.070 crianças vacinadas, entre 0 a 4 anos. "Por isso contamos com a parceria de todos, inclusive da mídia, com o objetivo de conscientizar e mobilizar toda sociedade sobre a importância em vacinar as crianças, nós da Secretaria Estadual de Saúde, em parceria com a Secretaria Municipal, convidamos todos os pais a levarem seus filhos para receber sua dose vacinal no mês de junho e reforçamos o convite para a segunda dose, que provavelmente será no mês de agosto", concluiu. 

Todos os centros e postos de saúde do Estado e dos municípios estarão com vacinas disponíveis. Serão 423 postos fixos, 156 transportes, entre terrestres e fluviais, mobilizando cerca de 1200 pessoas nas ações da Campanha deste ano. 

A vacina oral será administrada indiscriminadamente em todas as crianças que estejam na idade de 0 a 5 anos, independente de ter tomado qualquer outra vacina anteriormente. Na ocasião será feita a vacina oral contra o rotavírus humanos – VORH, que foi recentemente implantada no país, além da atualização de todas as vacinas do calendário básico.  

As crianças portadoras de deficiência imunológica congênita ou adquirida, crianças em contato domiciliar com pessoa imunodeficiente e crianças submetidas a transplante de medula óssea receberão a dose da vacina injetável nos Centros de Referências de Imunobiológicos Especiais – CRIES. 

Como erradicar a Poliomielite? 

Poliomielite, mais conhecida como paralisia infantil é uma doença infecto-contagiosa viral aguda, caracterizada por um quadro clássico de paralisia flácida de início súbito, acometendo geralmente os membros inferiores de uma forma assimétrica. A doença foi de alta incidência no País em anos anteriores, onde deixou centenas de deficientes físicos por ano.

Todos os anos são realizadas duas campanhas de vacinação, uma estratégia primordial para a manutenção da erradicação desta doença no Brasil. Áreas geográficas com baixas coberturas vacinais por tempo prolongado promovem o estabelecimento de áreas suscetíveis, que aumentam o risco de importação de casos devido aos intercâmbios econômicos e culturais que ocorrem entre o Brasil e países endêmicos.   

 A Vacina Oral é considerada pela Organização Mundial de Saúde como a única vacina capaz de viabilizar a erradicação global da poliomielite, sendo recomendada para as nações com índices de coberturas vacinais baixos e heterogênicos. O Brasil vem mantendo suas coberturas e tem alcançado altos índices nacionais. No entanto, nem todos os municípios conseguem cobertura vacinal adequada devido às grandes diversidades de ordem geográfica, climática, sócio-econômico e cultural, tornando seus resultados heterogêneos.