Realização de concursos públicos é prioridade da gestão estadual

Garantir o bom funcionamento da máquina pública é prioridade absoluta da gestão do governador Gladson Cameli e, desde o primeiro mandato, estão sendo convocados servidores efetivos de diversos concursos, inclusive os de cadastros de reserva.

Apesar disso, a defasagem de pessoal efetivo nas secretarias e órgãos da administração indireta é muito grande. Por falta de concurso público e para manter o bom funcionamento, a gestão tem feito contratações temporárias e de cargos comissionados, todos com amparo legal.

Antes de embarcar para os Estados Unidos na semana passada, onde cumpre agenda com a Força-Tarefa dos Governadores para o Clima e Floresta (GCF), o governador Gladson Cameli destacou a importância dos concursos públicos para o bom funcionamento da gestão.

Governador Gladson Cameli prioriza realização de concursos públicos na gestão estadual. Foto: Neto Lucena/Secom

“A realidade é que temos uma grande necessidade de servidores efetivos, tanto na administração direta como na indireta. Diante disso, fizemos todos os estudos necessários para garantir a realização de concursos dentro do que estabelece a lei de responsabilidades e, nos próximos meses, começaremos a lançar os editais para esses concursos”, destaca Cameli.

Para suprir a necessidade citada por Cameli, a gestão trabalha para garantir a realização de novos concursos públicos ainda este ano. Em abril foi encaminhado à Assembleia Legislativa um projeto de lei (PL) que garante novas vagas para provimento de vagas e posterior realização de concurso. Essa é uma das etapas do processo.

Inicialmente as vagas serão destinadas às secretarias de Estado de Saúde (Sesacre) e de Educação (SEE) e ao Instituto de Administração Penitenciária do Acre (Iapen).  O PL também corrige outra distorção no que se refere aos cargos de algumas secretarias que foram transferidas para o Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal (Idaf) no ato de criação do órgão, além de abrir 200 novas vagas no Iapen, para o cargo de policial penal.

A realização desses concursos só será possível porque a atual gestão conseguiu voltar a ficar abaixo do limite prudencial de gasto com servidores públicos, fruto de um trabalho eficaz de gestão financeira.

Alguns desses concursos, como é de conhecimento público, estão em andamento, seja no processo de seleção, como é o caso da Saúde e da Educação, ou na preparação de edital.

Enquanto os concursos não são realizados, o Estado supre a falta de servidores efetivos com cargos comissionados e todas as nomeações têm caráter técnico. “As nomeações vêm sendo feitas para o bom funcionamento da gestão, e isso acontece porque, infelizmente, nos últimos anos, raros foram os concursos feitos no âmbito da administração pública”, informa o secretário de governo, Alysson Bestene, ao ser questionado sobre as nomeações.

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest