Novo Olhar

Projeto do Ieptec é destaque em seminário de instituições que atuam no sistema prisional

O programa Novo Olhar, desenvolvido pelo Instituto Estadual de Educação Profissional e Tecnológica (Ieptec), é destaque no 1º Seminário Sistema Prisional no contexto das políticas penais: aspectos éticos, técnicos e legais. O evento aconteceu no auditório da Universidade Federal do Acre (Ufac), em Rio Branco, nos dias 28 e 29 de junho.

O projeto vai expandir o atendimento que já vem sendo realizado pelo Ieptec dentro do sistema prisional acreano. Foto: Assessoria Ieptec

O encontro teve a finalidade de incentivar a troca de saberes e práticas entre instituições que estão envolvidas com o trabalho executado no sistema prisional acreano. Os profissionais desses órgãos foram o público-alvo do evento.

Policiais do BOPE participaram do evento. Foto: Assessoria Ieptec

A diretora de ensino, Mara Lima, representou o Ieptec no seminário realizado pelo governo do Estado, por meio do Instituto de Administração Penitenciária (Iapen) e Polícia Penal, e contou também com a participação da Ufac e do Poder Judiciário do Acre.

Outras instituições governamentais parceiras do Iapen apresentaram suas ações no evento. Foto: Assessoria Ieptec

“Essa foi uma excelente oportunidade de apresentar um projeto magnífico que é o Novo Olhar, que vai possibilitar a chance de ingresso no mercado de trabalho. Através do projeto, o Ieptec quer ofertar qualificação profissional para esse público que já vai sair do regime prisional com habilidades e competências para desempenhar o seu próprio trabalho”, ressaltou Mara Lima.

A diretora de ensino do Ieptec, Mara Lima, frisou sobre a importância da implementação do programa nos presídios acreanos. Foto: Assessoria Ieptec

Programa Novo Olhar

O programa Novo Olhar foi lançado em março de 2023, e pretende ofertar 30 cursos de capacitação profissional para atender mais de 1900 pessoas inseridas no sistema prisional acreano.

O programa Novo Olhar é uma ação do Ieptec, com o apoio do Iapen, que visa oferecer cursos profissionalizantes para pessoas que vivem em situação de privação de liberdade, semiliberdade, que respondem com penas alternativas ou são egressas do sistema prisional. Cursos como de barbeiro, marceneiro e costureira serão oferecidos no projeto.