Projeto de educação ambiental alcança três mil famílias em Feijó

Com a mochila do educador ambiental, professores ensinam boas práticas aos alunos (Foto: Diego Gurgel/Secom)
Com a mochila do educador ambiental, professores ensinam boas práticas aos alunos (Foto: Diego Gurgel/Secom)

José Antônio Jacinto é professor na Escola Eugênia Morais da Silveira, na zona rural de Feijó. Ele é um dos profissionais contemplados pelo projeto “Protegendo Florestas”, financiado pela rede de TV SKY, do Reino Unido, com o objetivo de ajudar a região amazônica na conservação das florestas.

“A nossa missão é muito importante. Daqui uns dias, quem vai cuidar da terra são esses alunos que hoje ajudam os pais. Quando for a vez de eles cuidarem da terra, já o farão com outra visão, com mais preocupação e responsabilidade”, disse o professor.

Trata-se de uma iniciativa do governo do Estado, em parceria com o Wide World Fund for Nature (WWF) e a Secretaria Municipal de Educação.

O projeto, que existe há três anos, capacita professores do ensino rural para que eles transmitam, em sala de aula, boas práticas ambientais, como por exemplo formação de roçado sustentável, reaproveitamento de áreas  degradadas e não uso do fogo para a produção.

Mais de 180 professores foram formados pelo projeto (Foto: Diego Gurgel/Secom)
Mais de 180 professores foram formados pelo projeto (Foto: Diego Gurgel/Secom)

Mais de 180 professores foram formados pelo projeto, que já alcançou mais de três mil famílias na região. “A nossa maior dificuldade é reunir esses professores, pois a maioria está atuando próximo aos rios que cortam a região”, explicou o chefe da divisão de Educação Ambiental e Práticas Sustentáveis da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), Adriano Santos.

Além da formação dos professores, o projeto tem outras linhas de atuação relacionadas a cadeias produtivas florestais, manejo do pirarucu e agroecologia.

Para Flávio Quental, analista de conservação da WWF, a educação e o acompanhamento fazem a diferença nos resultados do projeto. “Os produtores aprendem e aplicam na prática, mostrando que é possível gerar renda usando a floresta que está de pé de maneira sustentável e aproveitando também as áreas abertas”, frisou.