educação

Professores recém-contratados participam de formação para atuar em escolas de difícil acesso

A Secretaria de Educação, Cultura e Esportes (SEE), por meio do Departamento de Ensino Rural, realizou nesta terça-feira, 29, uma formação inicial para os professores recém-contratados do programa Caminhos da Educação do Campo: Ciclos de Aprendizagem – 2021, que ministrarão aulas nas escolas de difícil acesso.

Pela manhã, a formação, que teve uma duração total de 8 horas, foi para os professores do ensino fundamental, anos iniciais e anos finais, e à tarde para os professores do ensino médio. A ação foi realizada no auditório da Escola José Ribamar Batista (Ejorb).

Formação dos professores do programa Caminhos do Campo foi realizada no auditório da Ejorb. Foto: cedida

O objetivo da formação é qualificar o público-alvo, além de traçar estratégias pedagógicas para o atendimento das etapas de ensino (fundamental e médio). Ao todo, 12 professores participaram do curso.

Para a professora Raquel Abrahim, formada em Biologia, o principal desafio da educação rural está em chegar à escola. “A questão da distância e as dificuldades que a gente encontra no período chuvoso são os nossos maiores desafios”, disse.

Mas, existe o lado de recompensa, segundo ela. Ao mesmo tempo em que relata que a escola é longe, destaca a importância do que se entrega aos alunos da zona rural: “Além do conhecimento, levar um pouco do coração da gente também”.

Professores destacaram a dificuldade de acesso à escola rural como desafio a ser vencido. Foto: Cedida

“A importância do projeto de dar aula na zona rural é porque vamos formar opinião, vamos compartilhar nossa opinião com as pessoas que moram lá, expandir os horizontes dos alunos para que eles conheçam outras realidades, outros mundos, outras vivências”, afirmou a professora.

Quem também destacou a questão da dificuldade relacionada à distância foi o professor Reginaldo Afonso, de Sociologia, e que irá ministrar aulas na Escola Manoel Thiago Lindoso, na zona rural de Rio Branco. “Vejo como maior dificuldade o acesso à escola, não só para o professor como para o aluno”, disse.

Já o professor Geovani Roger, formado em Artes Cênicas pela Universidade Federal do Acre e que ministrará aulas na mesma instituição, há uma grande questão a ser debatida: “Nesta pandemia, assim como aconteceu na cidade, há um grande abandono escolar e o desafio é suprir esse abandono”.