Polícia aumenta patrulhamento aquático nas áreas alagadas

Homens da Polícia Judiciária patrulham as áreas alagadas na cidade de Rio Branco, em pequenas embarcações. O objetivo, segundo Carlos Flávio, secretário de Polícia Civil, é proteger a integridade física das pessoas que decidiram enfrentar a fúria dos rios e continuar residindo nas casas que acabaram invadidas pela alagação.

Os agentes patrulham os bairros alagados na capital (Foto: Pedro Paulo)
Os agentes patrulham os bairros alagados na capital (Foto: Pedro Paulo)

Outra preocupação dos agentes de policiamento aquático diz respeito aos crimes contra o patrimônio. O trabalho realizado pelos órgãos de segurança consiste em coibir os arrombamentos, bem como fechar as possíveis rotas de fuga do rio que geralmente são utilizadas após o delito.

Ao todo, são 30 policiais, sendo seis delegados e 24 agentes e escrivães de polícia, que em pequenas embarcações patrulham os bairros alagados na capital. Esse esforço da polícia é recompensando pela aceitação de moradores como o caminhoneiro Salas Rodrigues, que há 30 anos reside na rua Baguari, no bairro Taquari.

Coibir crimes contra o patrimônio é um dos objetivos do patrulhamento (Foto: Pedro Paulo)
Coibir crimes contra o patrimônio é um dos objetivos do patrulhamento (Foto: Pedro Paulo)

Segundo ele, no local criou seis filhos, sempre vencendo as cheias dos rios da região. “Desta vez a coisa ficou diferente. A água, que nunca tinha passado do quintal, invadiu minha casa e me obrigou improvisar um assoalho a partir da janela”, disse o caminhoneiro.

Perguntado sobre a segurança e o apoio das polícias neste período de calamidade, Sales foi categórico: “É constante a presença de policiais, dia e noite. Pelo menos aqui na minha casa a gente conversa, troca informações e procura ouvir com atenção as orientações da polícia”, destacou.

Ainda conforme o caminhoneiro, nesse quesito ele não tem razões para se queixar. “É que, mesmo alagado, tem sempre o olhar atento dos guardiões da sociedade”, afirmou Sales, referindo-se ao trabalho dos policiais.

Alguns animais são resgatados da enchente durante as operações (Foto: Pedro Paulo)
Alguns animais são resgatados da enchente durante as operações (Foto: Pedro Paulo)

Conforme o delegado Nilton Boscaro, o foco das polícias, que trabalham de forma integrada, é garantir a vida das pessoas. Isso não os impede de socorrer animais, especialmente cães e gatos, já que, na pressa de sair para um lugar seguro, muitas famílias acabam abandonando seus animais de estimação.

A equipe do delegado Nilton teve importante ajuda de servidores da Embrapa, que se juntaram à Sociedade Amor a Quatro Patas no resgate de cães. Eles removem os animais abandonados e os encaminham para abrigos seguros, onde recebem vacina e alimentação.

Compartilhe:

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest