Polícia Civil investiga morte de agente penitenciário

Durante coletiva representantes do Governo disseram que irão reunir esforços para elucidar o crime

coletiva_seguranca_foto_angela_peres_01.jpg

Representantes da Segurança e Direitos Humanos falaram à imprensa sobre investigações do crime (Foto: Angela Peres/Secom)

A cúpula da segurança pública reuniu a imprensa na manhã desta segunda-feira para repassar as impressões iniciais da investigação da morte do agente penitenciário Roney Barbosa Vidal. Vidal foi assassinato no domingo por volta das seis horas da manhã na avenida Ceará.

De acordo com testemunhas, três pessoas que estavam em duas motos cercaram o agente e disparam três tiros. Estas testemunhas estão sendo ouvidas pelo delegado responsável pelo caso, além disso, a polícia técnica está atuando para reunir mais provas.

“Já iniciamos várias diligências. Vamos reunir esforços para apresentar os envolvidos e dar uma resposta rápida à sociedade”, destacou o secretário de Polícia Civil Emylson Farias. Além do secretário também participaram da coletiva o secretário de Justiça e Direitos Humanos, Henrique Corinto, o diretor-presidente do Instituto de Administração Penitenciária (Iapen), Leonardo Carvalho, o comandante da Polícia Militar e subcomandante, Romário Célio e Paulo César.

Ainda no domingo estiveram reunidos os diretores do Iapen e também os agentes que trabalhavam diretamente com a vítima para debater se poderia existir motivação para o crime. Leonardo Carvalho informou que o Governo prestou assistência à família da vítima e irá acompanhar as investigações para elucidação do crime. “Este é um momento de tristeza para a família e para o Iapen. Roney era um servidor exemplar, reconhecido por seus colegas pelo zelo com que trabalhava”.