O sonho vivo de Chico Mendes para o homem da floresta

Coleta de castanha serigal cachoeira (4)
O investimento na cadeia produtiva e o início de um novo tempo para aqueles que vivem na floresta é a concretização do sonho de Chico Mendes (Foto: Arquivo/Secom)

Um sonho daquele que foi o maior líder seringueiro do Acre, defensor da floresta e daqueles que nela habitam, está se tornando realidade – o que Chico Mendes sonhava para o Acre está vivo.

Prova disso são os investimentos feitos pelo governo do Estado na cadeia produtiva da castanha. Nos últimos anos, aqueles que antes eram explorados, vendendo seus produtos para comerciantes de outros estados, e até para a Bolívia, a um preço bem reduzido, agora podem comemorar a valorização da castanha do Acre.

Os investimentos vão desde incentivos para a produção até a instalação de modernas indústrias de beneficiamento da castanha em regiões estratégicas. Com isso, os extrativistas agora recebem um justo valor pelo produto e podem sonhar com novos investimentos, garantindo mais renda para o sustento de suas famílias.

O olhar carinhoso dos governantes dos últimos 12 anos, desde Jorge Viana, passando por Binho Marques e, agora, com Tião Viana, garante não apenas a valorização da castanha acreana, como também uma nova realidade para as famílias que garantem seu sustento com a comercialização do produto.

Mas, o que isso representa? O início de um novo tempo para aqueles que vivem na floresta, a concretização do sonho de Chico Mendes, a geração de renda para milhares de famílias, a permanência daqueles que amam a floresta em suas terras, o aquecimento da economia acreana e muito mais.

Investir na cadeia produtiva da castanha, com apoio aos produtores, desde ajuda na plantação, colheita e comercialização é, talvez, o maior gesto de gratidão do governo do Estado àquele que deu sua vida para chamar atenção do mundo todo para a importância da preservação da floresta e de suas riquezas naturais.