Mulheres superam dificuldades e celebram o Dia do Trabalho

Nas últimas décadas a mulher intensificou sua luta no combate à opressão e desigualdades a favor de sua emancipação econômica e social, e pelo direito ao trabalho. No dia dedicado ao trabalhador escolhemos a história de duas acreanas que superaram as dificuldades e estão no mercado de trabalho e felizes com as profissões que escolheram.

Julia Pluma superou discriminação e hoje é dona de oficina de moto (Foto: Edna Medeiros/Secom)
Julia Pluma superou discriminação e hoje é dona de oficina de moto (Foto: Edna Medeiros/Secom)

Uma delas é Julia Pluma. Depois de ter participado de um curso de qualificação de Mecânica de Motos, oferecido pela Secretaria de Políticas para Mulheres (SEPMulheres) e Secretaria de Pequeno Negócios (SEPN), hoje é proprietária de uma oficina de moto e bicicleta no bairro São Francisco.

“Sou uma profissional feliz e realizada”, observa Julia. Seus olhos brilham ao relatar sua satisfação com o que faz. “A recompensa vem quando finalizo um trabalho e vejo a satisfação dos meus clientes. Minha intenção é expandir o meu negócio e gerar emprego e renda para outras famílias”, revela.

Profissões desafiadoras

A pedreira Maria Delzuite que trabalha há vinte anos na construção civil surpreende pela sua história de superação. A profissão foi descoberta quando se viu sem a presença do marido e com três filhos para sustentar.

“Comecei como ajudante de pedreiro. Depois percebi que para melhorar a renda precisava me qualificar. Foi aí que surgiu a SEPMulheres com o curso de pintura predial. Hoje estou trabalhando por conta própria e o que ganho dá para garantir o sustento da minha família”.

Delzuite começou como ajudante de pedreiro (Foto: Edna Medeiros/Secom)
Delzuite começou como ajudante de pedreiro (Foto: Edna Medeiros/Secom)

Com as mãos calejadas e o rosto castigado pelo sol, a alegria de Maria Delzuite é contagiante. “As mãos calejadas e ressecadas pelo cimento não me incomodam, pelo contrário, me trazem a certeza de que sou capaz de exercer uma profissão que me realiza e traz felicidade”.

O número de mulheres empreendedoras no Brasil, segundo o Sebrae, cresceu 21% nos últimos dez anos. Mais que o dobro do crescimento dos homens. Hoje, a cada 100 empreendedores individuais 45 são do sexo feminino. O resultado é que o país possui uma população de sete milhões de mulheres empresárias. As brasileiras são responsáveis por sustentar 35% dos lares deste país.