Mulheres, se toquem!

Segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca) em 2021, foram estimados 66.280 casos novos de câncer de mama para o Brasil, com um risco estimado de 61,61 casos a cada 100 mil mulheres. Outubro é o mês de conscientização global sobre o câncer de mama, o objetivo é divulgar informações e fortalecer a prevenção e diagnóstico precoce. Porém, o cuidado com a saúde deve ser constante.

Neste mês de conscientização gostaria de me apresentar, contar o motivo porque estou aqui e fazer um alerta.

Meu nome é Larissa, tenho 40 anos, sou acreana do pé rachado, jornalista e publicitária. Em dezembro de 2020, aos 39 anos, no meio de uma pandemia, tive o diagnóstico de um câncer de mama. Esse é um daqueles momentos que você fica sem chão e que precisa de um tempo para processar o que está acontecendo.  Felizmente, tenho uma família maravilhosa que prontamente começou a resolver tudo, porque uma coisa que não podemos perder é tempo.

Por vários motivos, aos quais sou muito grata, estou fazendo meu tratamento no Hospital AC Camargo que é referência no tratamento do câncer. Até aqui já passei por 6 ciclos de quimioterapia forte que me deu muita náusea, perdi a fome, emagreci, perdi o cabelo e fiquei fraca, mas me recuperei. Passei pela cirurgia de mastectomia e início da reconstrução da mama direita e tive uma boa recuperação.

No dia 9 de agosto iniciei outra etapa do tratamento, fiz o primeiro ciclo de quimioterapia de T-DM1, dos 14 ciclos programados. Ao contrário da quimioterapia convencional que pode agir em todas as células do organismo, a quimioterapia de T-DM1 é liberada seletivamente no interior das células alvo, o que causa menos efeitos colaterais. No dia 27 de setembro fiz a última sessão de radioterapia das 15 planejadas.  Não acabou, dos 14 ciclos de quimioterapia de T-DM1 ainda faltam 10, porém como as enfermeiras falaram o pior já passou e mais longe já estive.

Eu descobri o nódulo de uma forma inusitada. Estava brincando com meu cachorro que passou pela minha mama e quando coloquei a mão no local senti. Sim, sou muito grata e cheia de amor pelo Samba (meu filho de quatro patas). Mas gostaria de deixar um alerta para vocês: SE TOQUEM, MULHERES!

Se toquem sempre, não só em outubro. Cuide da sua saúde todos os dias. Quando o câncer de mama é descoberto no início, há mais chance de cura.

Larissa Costa é jornalista e publicitária e faz parte do quadro de funcionários públicos da Secretaria de Estado de Comunicação