Ocupa Rio Branco

Movimento promove arte e cultura no Cacimbão da Capoeira

Iniciativa visa ocupar os espaços públicos de Rio Branco com cultura e arte (Foto: Diego Gurgel/Secom)

Música, teatro, dança: uma verdadeira explosão cultural tomou conta do Cacimbão da Copeira, em Rio Branco, na noite deste domingo, 4. O evento foi realizado pelo Ocupa Rio Branco, movimento de apropriação artística dos espaços públicos da capital, fomentado pelo Fórum de Arte e Cultura e Diálogos da Universidade Federal do Acre (Ufac).

A primeira edição do evento foi promovida na própria universidade. Todos os domingos de junho e julho, a partir das 17 horas, um novo espaço será explorado pelos artistas, fazedores de cultura e a sociedade.

“A ideia é ocupar os espaços públicos com cultura e arte, bem como discutir temas de relevância social, como a demarcação das terras indígenas, direito das mulheres e comunidade LGB. A gente está, na verdade, vivenciando um laboratório de ideias”, explicou um dos organizadores do evento, o músico Diogo Soares.

A estudante Marina Luckner, 21 anos, soube do evento pelas redes sociais. “Fiquei sabendo pelo Facebook. A galera vai compartilhando o evento, e aí a gente de curioso vem conferir. Essas ocupações são muito importantes, pois nos permitem desfrutar realmente o que a cidade tem para oferecer”, ressaltou.

A iniciativa conta com o apoio da prefeitura de Rio Branco e do governo do Estado. “É muito bonito ver a cidade de Rio Branco sendo ocupada com arte, cultura e muito diálogo. Aqui no Cacimbão o movimento provocou a prefeitura e a gente fez toda essa revitalização no local para poder receber o movimento cultural”, destacou Sérgio de Carvalho, diretor-presidente da Fundação Garibaldi Brasil.

Karla Martins, diretora-presidente da Fundação Elias Mansour (FEM), observa que o movimento foi em busca de articulação e apoio em vários nichos. “O Estado cumpre aqui uma função institucional de acompanhar e ver como estão sendo feitas atividades do que propriamente o mantenedor. Talvez daí a grande importância de os artistas se articularem espontaneamente e conquistarem vários apoios”, frisou.

Além das apresentações culturais, os organizadores promoveram um debate sobre meio ambiente, cultura e juventude como pilares de uma nova sociedade. O evento compõe a programação do Mês do Meio Ambiente.