rotas de aprofundamento

Jornada Pedagógica de Formação Continuada do Ensino Médio capacita professores de Rio Branco 

Professores da rede pública estadual de Rio Branco participam da II Jornada Pedagógica de Formação Continuada do Ensino Médio. A ação, que já percorreu todos os municípios do interior do estado, começou a ser ministrada na capital na última semana e continua com atividades até a próxima quinta, 20.

O foco são as rotas de aprofundamento nas quatro áreas do conhecimento: Ciências da Natureza, Ciências Sociais, Linguagens e suas tecnologias, e Matemática e suas tecnologias; e tem como objetivo aprimorar as habilidades e competências em cada área, de acordo com seus componentes específicos.

Professor durante formação do componente Química. Foto: Dayana Soares/SEE

No novo ensino médio, cada área de conhecimento é formada por componentes específicos. Por exemplo, a área de Ciências da Natureza é formada pelos componentes Física, Química e Biologia.

Já as rotas de conhecimento são uma abordagem pedagógica que busca aprofundar o aprendizado em áreas específicas: um aluno interessado em Biologia pode optar por uma rota de aprofundamento em Ecologia, enquanto outro pode escolher uma rota voltada para a Genética.

Desse modo, as rotas oferecem a oportunidade de explorar tópicos específicos, ampliando o conhecimento e desenvolvendo competências mais especializadas dos estudantes.

A assessora pedagógica da Divisão de Ensino Médio, Gleiciana Nascimento, que ministrou a formação para os professores do componente de Química na última quinta, 13, na Escola Técnica em Saúde Maria Moreira da Rocha, ressalta que a abordagem específica por componente é importante, por proporcionar aos educadores um suporte específico e real.

“Trazemos experiências para os professores, proporcionando a vivência real de uma sala de aula. Fornecemos sequências didáticas prontas, com materiais de suporte, e depois eles elaboram suas próprias propostas de atividades”, explica.

Abordagem por componente atendeu às necessidades detectadas nas formações anteriores. Foto: Dayana Soares/SEE

Além disso, a chefe da Divisão de Ensino Médio, Danielly Matos, explica que a abordagem por componente atendeu às necessidades detectadas nas formações anteriores e permitiu que os professores tivessem uma maior flexibilidade em relação aos horários. “Todo dia estamos oferecendo o curso, nos turnos manhã e tarde, para que, desse modo, eles possam escolher o melhor turno”, afirma.

Samia Oliveira, coordenadora de ensino do Colégio Militar Tiradentes, que participou da formação do componente de Química, enfatizou a objetividade e clareza proporcionadas pela formação.

“O Novo Ensino Médio é um desafio de adaptação para todos. Como coordenadora pedagógica, preciso compreender bem para poder ajudar meus professores. Essa formação nos dá um norte”, concluiu.