Indústria florestal gera emprego e renda utilizando madeira sustentável

O empreendimento é fruto de uma parceria público-privado (Foto: Angela Peres/Secom)
O empreendimento é fruto de uma parceria público-privado (Foto: Angela Peres/Secom)

Instalado em maio de 2012, o Parque Industrial de Cruzeiro do Sul agrega diversos empreendimentos que comercializam produtos florestais. Nesta segunda-feira, 23, o titular da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Florestal, da Indústria, do Comércio e dos Serviços Sustentáveis (Sedens), Fernando Lima, acompanhado do secretário de Meio Ambiente, Edegard de Deus, visitou o Complexo Industrial Soar Floresta do Juruá S.A, que utiliza matéria-prima proveniente dos planos de manejos.

O empreendimento é fruto de uma parceria público-privado e emprega 15 funcionários, no inverno amazônico – período em que a retirada de madeira é menor devido às fortes chuvas. Durante o verão, o número de empregados aumenta significativamente, já que a demanda da indústria de desdobro e beneficiamento de madeira duplica.

Toda a madeira utilizada pelo empreendimento é oriunda do Projeto de Assentamento Florestal Havaí (PAF Havaí), localizado em Rodrigues Alves. Ao todo, 45 famílias de produtores florestais, da Associação de Produtores Agrícolas do PAF Havaí, são beneficiadas com a comercialização da madeira sustentável.

Edegard de Deus destaca os avanços da política de manejo florestal, nos últimos anos: “Antes, 100% da madeira que saia do Estado era de desmatamento ilegal. Hoje, quase 90% da madeira comercializada é sustentável, oriunda dos planos de manejos comunitários”, observou o secretário.

A Soar Floresta do Juruá S.A. trabalha com produtos potenciais: madeira serrada e madeira processada. Quando estiver em total funcionamento da sua capacidade de produção, a empresa deve gerar o faturamento anual de R$20 milhões. Além de atender as demandas do mercado local, o empreendimento exporta parte da sua produção para São Paulo.

Para o gestor da Sedens, Fernando Lima, o Complexo Florestal é um exemplo de economia sustentável. “Além da madeira ser oriunda dos planos de manejos, os resíduos madeireiros que sobram são reutilizados e transformados em insumos para olarias. Estamos fortalecendo a economia acreana com sustentabilidade e responsabilidade ambiental”, frisou.