Idaf realiza trabalho de prevenção de pragas

SAM_2083
Mandarová é um tipo de praga que costuma atacar plantações de macaxeira (Foto: Cedida)

O Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal (Idaf) no Acre integra trabalhos na área animal e vegetal. Na agricultura, o Departamento de Defesa e Inspeção Sanitária Vegetal disponibiliza assistência técnica aos trabalhadores do campo e intervem em assuntos de prevenção em tratamento de pragas que venham a invadir as plantações.

Além desse trabalho, o instituto atua na inspeção de produtos agroindustriais e advindos da mandioca, como a farinha, o tucupi e outros que ingressam no estado, a fim de evitar a entrada de novas pragas que possam destruir a produção desses produtos.

Neste ano, após o ataque severo de uma espécie de praga chamada mandarová em seringais, o Idaf implantou procedimentos de dedetização das plantações do local, com um tipo de remédio chamado “Baculovírus”.

“Esse tipo de veneno não danifica o meio ambiente, porém, interfere apenas até as fases iniciais da praga. Se elas estiverem na fase adulta, o remédio não surte efeito e, infelizmente, temos que usar outro tipo de agrotóxico mais forte”, explica Oder Gurgel, coordenador de fiscalização de agrotóxicos do Idaf.

A praga que chegou aos seringais tomou grande proporção. A técnica da Defesa e Inspeção Sanitária Vegetal do Idaf Joelma Pais conta que os lagartos atacaram espaços altos, de difícil acesso, e ainda se espalharam por grande parte do roçado. “Eles atingiram as copas das árvores, tornando difícil atuarmos no combate, por conta do acesso”, explicou.

Seringal desfolhado após ataque dos lagartos (Foto: Cedida)
Seringal desfolhado após ataque dos lagartos (Foto: Cedida)

O mandarová ataca principalmente a macaxeira, o que compromete a produção de produtos feitos a partir do tubérculo. Os ataques de lagartos levam ao desfolhamento severo, impossibilitando a fotossíntese, e podem causar danos de até 100% das plantações.

O Idaf atualmente trabalha diretamente com os agricultores, oferecendo educação sanitária para os produtores por meio de palestras e ensinando como evitar e vistoriar as plantações para que o ataque seja prevenido.

O instituto também realiza fiscalização nas divisas de Peru, Bolívia e Senador Guiomard, explicando aos trabalhadores a importância de ter cuidado ao transportar frutos, plantas e alimentos vindos dos países vizinhos “Esse trabalho possibilita que os agricultores saibam como evitar ao máximo a entrada de pragas nos roçados”, esclarece Gurgel.