segurança

Iapen adquire equipamentos com recursos gerados pela mão de obra de apenados

Trabalho, produção e renda. É partindo dessa dinâmica que detentos do Instituto de Administração Penitenciária do Acre (Iapen/AC) são inseridos no processo de ressocialização e almejam o retorno à sociedade. Somente em Rio Branco, 155 presos participam de alguma atividade laboral, sendo que 75 atuam na área externa ao presídio.

Equipamentos foram adquiridos com recursos gerados pela mão de obra de apenados. Foto: Elenilson Oliveira

O trabalho dos detentos tem gerado frutos não apenas para eles, mas para outros presos que também aguardam uma oportunidade, uma nova chance. É que os recursos advindos da produção gerada pela mão de obra de apenados são empregados na manutenção e ampliação dos postos de trabalho.

Na manhã desta quarta-feira, 5, o presidente do Iapen, Arlenilson Cunha, entregou duas roçadeiras e uma motosserra que serão utilizadas na manutenção dos presídios, sob a supervisão da Divisão de Trabalho, Produção e Renda. Juntos, os equipamentos custaram R$ 5.800 e foram comprados com recursos da produção do Sistema Penitenciário.

Uma roçadeira será destinada à unidade penitenciária do Quinari, localizada em Senador Guiomard, e a outra, bem como a motosserra, serão utilizadas no Complexo Penitenciário de Rio Branco.

Somente em Rio Branco, 155 presos trabalham dentro e fora das unidades prisionais. Foto: Elenilson Oliveira

O chefe da Divisão, Emilson Fernando, explicou que os equipamentos irão auxiliar no trabalho de limpeza das unidades, bem como no aumento da produção, em espaços voltados para o cultivo de hortaliças e criação de animais. Ele destacou que os presos envolvidos com o trabalho têm a oportunidade de adquirir conhecimentos que poderão proporcionar a reinserção no mercado de trabalho, quando alcançarem a liberdade.

Já o presidente do Iapen, Arlenilson Cunha, ressaltou que a entrega fortalece o trabalho que já vem sendo realizado. “O mais importante é que isso é fruto da produtividade do apenado, ou seja, um recurso oriundo da produção, como a confecção de mesas e móveis. A ideia é ampliar esse trabalho, que tem um grande significado, pois por meio dele cumprimos a finalidade do sistema, que é a ressocialização por meio do trabalho e atividades laborais”, afirmou.