Homenagem a Chico Mendes termina com plantio de seringueiras

Atividade reuniu cerca de 500 pessoas no Fórum Social Mundial, entre seringueiros, comunidades extrativistas e outras lideranças

 

chico_mendes2.jpg

Participantes do FSM plantam pés de Seringueiras como símbolo de preservação ambiental (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr)

Belém – O líder ambientalista e sindical Chico Mendes, assassinado há 20 anos no Acre, foi homenageado hoje (28) durante o Fórum Social Mundial, em Belém. Organizado pela Fundação Perseu Abramo, ligada ao PT, o evento terminou com o plantio de cinco mudas de seringueiras no campus da Universidade Federal do Pará (UFPA).

“Plantamos cinco mudas nas pontas da figura de um pentágono verde. Esse será o pentágono da paz, ao contrário do outro, que é o da guerra”, explicou Hamilton Pereira, ex-secretário de Articulação Institucional do Ministério do Meio Ambiente na gestão Marina Silva, em referência à sede do Pentágono, do Departamento de Defesa dos Estados Unidos.

A senadora Marina Silva (PT-AC) não participou do plantio das árvores, mas minutos antes fez um discurso emocionado, no qual lembrou o seringueiro e criticou a falta de investimentos mundiais para a preservação do meio ambiente.

“Por que apareceu dinheiro para resolver a crise da economia e não há recursos para resolver a crise ambiental global, que é muito pior que a financeira?”, questionou a ex-ministra do Meio Ambiente. Além de Chico Mendes, a senadora lembrou outros “mártires da Amazônia”, entre eles a missionária Dorothy Stang, assassinada em 2005, no interior do Pará.

O presidente da Fundação Perseu Abramo, Nilmário Miranda, ex-ministro da Secretaria Especial de Direitos Humanos, referiu-se ao ambientalista acreano como “a figura mais emblemática” da defesa da Amazônia.

“O Acre era um lugar em que o crime organizado, a corrupção tomou conta. As agressões ao meio ambiente eram também agressões aos direitos humanos e à democracia. E o Chico Mendes conseguiu reverter isso. Transformou-se em um modelo para o restante do mundo”, disse Miranda.

Um ativista indiano, que plantou uma das mudas, comparou a luta de Chico Mendes à perseguição de ambientalistas na Índia, onde, segundo ele, cinco pessoas foram mortas por protestarem contra a destruição de rios.

A homenagem reuniu cerca de 500 pessoas, entre seringueiros, comunidades extrativistas e muitos militantes do PT na tenda Cuba 50 anos,  montada “em parceria” com a Fundação Perseu Abramo.