valorização

Governo entrega equipamentos para fortalecimento da agricultura familiar em Brasileia

O governo do Estado, por meio da Secretaria de Meio Ambiente e das Políticas Indígenas (Semapi), realizou mais uma entrega de equipamentos dentro do Programa de Incremento Comunitário (IPC). São investimentos de aproximadamente R$ 2 milhões para fortalecer a agricultura familiar, e na manhã desta sexta-feira, 11, foi a vez da Associação de Moradores e de Produtores Rurais de Porto Carlos Fronteira receber o benefício.

São investimentos de aproximadamente R$ 2 milhões para fortalecer a agricultura familiar. Foto: Raylanderson Frota/Brasileia

O montante de R$ 273 mil foi destinado à aquisição de dois microtratores com implementos agrícolas e dois equipamentos para casa de farinha (forno elétrico rotativo mecanizado com capacidade de 1,2 mil quilos por dia e extrator) beneficiando a associação.

O investimento é do Programa de Saneamento Ambiental Integrado e Inclusão Socioambiental do Acre (Proser), financiado pelo Banco Mundial. Dentro do IPC já foram beneficiadas comunidades nos municípios de Capixaba, Bujari, Plácido de Castro, Brasileia e neste sábado será a vez de Xapuri.

O investimento é do Programa de Saneamento Ambiental Integrado e Inclusão Socioambiental do Acre (Proser), financiado pelo Banco Mundial. Foto: Raylanderson Frota/Brasileia

O secretário de Estado do Meio Ambiente, Israel Milani, destacou as inúmeras iniciativas do governo no Alto Acre. “Eu sempre gosto de enfatizar que cuidar do Meio Ambiente é primeiro cuidar das pessoas. Conseguimos nesses três anos de gestão inverter os custos com a parte administrativa e fazer o recurso chegar na ponta, nas comunidades. É com entregas de equipamentos para fortalecimento da agricultura familiar, manutenção de ramais, e descentralização da política, que estamos melhorando a vida das pessoas e buscando reduzir a pressão sobre o desmatamento”.

Representando a Secretaria de Governo, Joelson Pontes parabenizou a pasta ambiental pela atuação no Alto Acre. “O trabalho da equipe da Semapi está de parabéns pelo profissionalismo e pela disposição em não perder recursos. E não é somente essa entrega que está sendo feita aqui na nossa região, é o ramal do Icuriã, agroindústrias, o Centro Integrado de Meio Ambiente. O governo está presente aqui”.

A prefeitura de Brasileia apoiou a iniciativa do governo na doação e garantiu acompanhamento técnico da Secretaria de Agricultura. Para a prefeita Fernanda Hassem, “hoje é um dia de alegria e gratidão junto à comunidade do Porto Carlos. Esses equipamentos irão beneficiar pais e mães de família, e trazer esperança para as pessoas que aqui moram. Nossa gratidão ao governo do Estado por meio da Secretaria de Estado do Meio Ambiente, na pessoa do secretário Israel Milani. Nós entes públicos estamos aqui para servir as pessoas.”

A prefeitura de Brasileia apoiou a iniciativa do governo na doação e garantiu acompanhamento técnico da Secretaria de Agricultura. Foto: Raylanderson Frota/Brasileia

O vice-presidente, Aldenir Prudêncio, agradeceu pelo benefício recebido. “Vamos acreditar no governo que vai dar certo. É muito bom quando a gente conta com os poderes públicos e eles se fazem presentes”, comentou.

Moradora da comunidade Porto Carlos, Raife Cavalcante agradeceu pelo investimento. “Nós da associação estamos muito felizes pelo benefício dos equipamentos chegando até nós. Agradeço ao governo, ao secretário Israel e à prefeita Fernanda Hassem por ajudar nossa comunidade”.

Também estiveram presentes na solenidade os vereadores Marquinhos Tiburcio, Elenilson Cruz, Leoni Castro, Jorge da Laura e Rogério Pontes. Secretários municipais de Brasileia e comunitários prestigiaram o evento. A equipe da Semapi prestou apoio técnico à entrega.

A equipe da Semapi prestou apoio técnico à entrega. Foto: cedida

Sobre a associação

A cultura de mandioca é a principal cadeia produtiva do grupo Porto Carlos Fronteira, além das culturas de arroz, milho, café, banana, feijão e mamão, para subsistência, e assim garantir a segurança alimentar, sendo o excedente vendido em feiras livres direto aos consumidores e, principalmente, para atravessadores. Os comunitários também criam bovino mestiço (corte e leite) e animais de pequeno porte (galinhas e porcos) para a garantir a alimentação e o excedente é vendido em feiras livres, em Brasileia.