plano de ação

Governo e Prefeitura de Porto Acre alinham estratégias para implantação de Polo Moveleiro no Caquetá

O governo do Acre, por meio da Secretaria de Estado de Indústria, Ciência e Tecnologia (Seict), recebeu, na manhã desta quinta-feira, 4, no Polo Digital do Barracão Matias, na Baixada da Sobral, em Rio Branco, representantes da Prefeitura Municipal de Porto Acre e marceneiros, para coordenar a proposta de implantação de um Polo Moveleiro na região do Caquetá.

Agenda reuniu representantes do Estado, Município e do setor moveleiro no gabinete da Seict, em Rio Branco. Foto: Jairo Carioca/Seict

Em novembro, os marceneiros tiveram suas atividades embargadas pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). O projeto apresentado pela prefeitura visa tirar os empreendedores do setor moveleiro da ilegalidade e da informalidade.

“Atendendo a um pedido do prefeito Bené Damaceno, demos um passo importante nesse plano de ação que visa implantar um polo moveleiro na Vila Caquetá. Hoje os marceneiros ativaram seus cadastros junto ao governo federal e se tornaram pessoa jurídica. O Estado vai apoiar na formulação do edital para concessão dos terrenos na área doada pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária, o Incra”, observou o titular da Secretaria de Estado de Indústria, Ciência e Tecnologia (Seict), Assurbanípal Mesquita.

De acordo o chefe da Divisão de Licenciamento Ambiental da Seict, Joaquim Lopes, a partir da regularização empresarial é possível avançar para a legalização ambiental junto ao Instituto de Meio Ambiente do Acre (Imac). “O secretário pediu total empenho e agilidade para inserirmos esse grupo de empreendedores de volta ao mercado de trabalho, agora com conceitos de sustentabilidade e competitividade”, disse Lopes.

Na manhã desta quinta-feira, 4, no Polo Digital, marceneiros aderiram ao E-Gov e tornaram-se micro empreendedores individuais. Foto: Melrissa Silva/Seict

Para Antônio Calixto, marceneiro da Vila Caquetá, o apoio dado pelo governo do Estado é fundamental para a legalização do setor. “Vamos sair da ilegalidade e dar continuidade a esse trabalho com o licenciamento ambiental, como manda a lei”, assegurou Calixto.

João Bento de Lima, que também é empreendedor da região do Caquetá, agradeceu o apoio do governo do Estado e do Sebrae para o trabalho com madeira legalizada. “Estamos na busca do sustento de nossas famílias, o apoio recebido do governo, da prefeitura e do Sebrae tem sido fundamental”.

Pelo município, as ações estão sendo acompanhadas pelo procurador jurídico, Oscar Souza Junior e a secretária de Planejamento e Finanças, Vânia Souza.