Para tratar da segurança no ambiente escolar, a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública do Acre (Sejusp), representada pelo coronel José Américo Gaia, esteve presente nesta quarta-feira, 19, na Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), para uma reunião com as comissões de Segurança Pública e Educação, Cultura e Desporto da Assembleia.

Sejusp em reunião com as comissões de Segurança Pública e Educação, Cultura e Desporto da Assembleia do Acre. Foto: Wilks Silva/Asscom Sejusp

O encontro foi realizado com a proposta de debater junto aos presidentes das comissões de segurança e educação, deputados e os secretários de Educação e Segurança as notícias falsas que estão circulando nas redes sociais, bem como formas de prevenção e repreensão da violência dentro das instituições de ensino.

Secretário de Estado de Justiça e Segurança Pública do Acre, coronel José Américo Gaia. Foto: Wilks Silva/Asscom Sejusp

Na oportunidade, o secretário de Segurança garantiu que medidas já foram tomadas para conter qualquer ato que coloque a segurança dos estudantes do Acre em perigo, “com as atividades que já vinham sendo desenvolvidas, desde sempre. Há anos que o Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência (Proerd) atua nas unidades escolares. O policiamento nas escolas é uma realidade nas nossas instituições de ensino, o que houve foi a intensificação desses serviços e a interiorização deles”, disse Gaia.

Gaia destacou que atualmente 280 policias militares fazendo o policiamento das escolas, sendo 180 na capital e o restante no interior. Além disso, ações do Proerd foram intensificadas com a formação de novos profissionais para atuarem em todo o estado.

Secretário de Educação, Aberson Carvalho. Foto: Wilks Silva/Asscom Sejusp

O secretário de Educação, Aberson Carvalho, falou do papel fundamental da família para a prevenção da violência nas escolas, tendo a comunidade familiar a responsabilidade de saber o que seus filhos estão vendo na internet ou levando para a escola. “A escola está dentro da comunidade, e a comunidade dentro da escola”, destacou Carvalho.

A Polícia Civil tem feito a intensificação das investigações sobre a criação dos perfis, onde qualquer tipo de informação relacionada a essa situação de violência nas escolas está sendo assistida pela Segurança do Estado. Até o momento, vinte perfis já foram derrubados.