Governo do Acre realiza curso de Boas Práticas no manejo da castanha do Brasil

Objetivo é difundir métodos que melhorem a coleta e o armazenamento do produto

imagem_694.jpg

Participantes do curso aprenderam como lidar melhor com a castanha

Para garantir maior qualidade ao produto, a Secretaria de Extensão Agroflorestal e Produção Familiar (Seaprof) em parceria com Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal (Idaf ), Escola da Floresta, Serviço Brasileiro de Apoio as Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e Associação Brasileira das Entidades Estaduais de Assistência Técnica e Extensão Rural (Asbraer), desenvolveu de 14 a 16 de julho, no hotel Imperador Galvez, o curso de boas práticas da produção de castanha do Brasil para técnicos e extensionistas. Os recursos para realização do Curso são de origem do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).

O coordenador de projetos da Asbraer, Walter Gusmão, ressalta que o resultado do curso será para o extrativista a garantia de melhora no manejo da castanha do Brasil e o aumento no consumo dessa amêndoa.   

A castanha é uma fonte de trabalho e renda para as pessoas que vivem na floresta, sua produção anual, está em torno de 30 mil toneladas, onde quase toda é exportada e desse total apenas 5% é consumida internamente.

O Brasil já foi o principal produtor de castanha, mas perdeu o lugar de maior exportador para a Bolívia, pelo fato de nossa castanha descascada apresentar altos níveis de contaminação por aflatoxina, problema esse ocasionado principalmente por falta de cuidados com a qualidade da castanha desde a coleta na floresta até o armazenamento nas usinas.

No estado do Acre tem crescido, nas ultimas décadas, tanto o volume quanto o valor obtido na comercialização do produto. O governo do estado espera estender as boas praticas de manejo há cerca de 1.200 produtores principalmente do baixo e alto acre, regiões de maior coleta da castanha.

Edivaldo Pinheiro de Andrade gerente de infra-estrutura rural da Seaprof , destaca "que nossa grande missão hoje é apresentar ao consumidor um produto de qualidade, daí a importância de acreditar em novos métodos e técnicas como aliado do produtor".