Governador entrega mudas do Florestas Plantadas na Vila Caquetá

 

Ao todo, serão 37 mil mudas distribuídas (Foto: Diego Gurgel/Secom)

Beneficiando 28 famílias da Vila Caquetá, nos municípios de Senador Guiomard e Porto Acre, o governador Tião Viana realizou a entrega de mudas e mecanização pelo programa Florestas Plantadas, nesta sexta-feira, 31. Ao todo serão 37 mil mudas distribuídas, garantindo o reflorestamento da região e renda para as famílias.

O investimento de mais de R$ 500 mil faz parte do Programa de Desenvolvimento Sustentável (PDSA II), executado pela Secretaria de Extensão Agroflorestal e Produção Familiar (Seaprof).

Serão mais de 22 mil mudas de seringueira, 6.800 de açaí, 2.500 de castanheira, 2.600 acerola e 2.600 de graviola. O plano de gestão prevê o cultivo consorciado para futura extração do látex e, em menor período, a exploração das frutíferas, garantindo renda para as famílias beneficiadas.

O programa Florestas Plantadas prevê o fortalecimento da preservação ambiental, com o reflorestamento, e a geração de renda, pois as culturas cultivadas são todas comercialmente exploradas. Em todo o estado, só por meio da Seaprof na gestão de Tião Viana, foram plantadas mais de três milhões de árvores em todo o estado.

“Aqui os produtores vão ter renda a curto prazo com as frutíferas e a longo com a seringa e a castanha”, afirma Tião Viana. Com o modelo de sistema agroflorestal implantado nos dois hectares de cada família, a acerola começa a dar renda no segundo ano, a graviola no terceiro, o açaí no quinto, a seringueira no sexto e a castanha a partir do décimo.

A solenidade contou com a presença do deputado federal Léo de Brito, do deputado estadual Lourival Marques e do prefeito de Porto Acre, Bené Damasceno.

Evolução econômica

O que o Acre está fazendo de investimento na agricultura está transformando sua economia. O Produto Interno Bruto (PIB) do estado está entre os que mais cresceram nos últimos anos, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), e hoje alcança R$ 13,4 bilhões.

Para o governador, essa evolução tem enorme contribuição da agricultura. “O Acre está mudando sua economia porque estamos acreditando na agricultura familiar, acreditando no pequeno produtor, que gera riqueza e renda. O estado começa a exportar proteína, estamos entrando no mercado da fruta, além de criar um mercado interno”, afirma.

A força dessa economia, feita de modo sustentável, já inspira produtores como a beneficiada Maria das Dores Gadelha, a Dorinha. “Essa ação vai dar um sentido melhor para as propriedades. Temos muitas áreas desflorestadas nesta região, e agora isso vai enriquecer nossa floresta. Ainda teremos uma renda para nossa família”, explicou Dorinha, lembrando que a floresta que crescerá ficará também para os netos e bisnetos.