Família possui renda em Rio Branco com venda de água de coco

Água de coco é rica em nutrientes (Foto: Diego Gurgel/Secom)

Além de rica em sais minerais e nutrientes, a água de coco passou a ser mais consumida em Rio Branco por outro fator: um ponto de venda em vários bairros da cidade, devido a investimentos em carrinhos adquiridos pelo governo do Estado, por meio da Secretaria de Pequenos Negócios (SEPN).

Mateus Rebouças, 20 anos, é prova de que vale a pena acreditar nesse ramo de venda, de onde vem a renda da família atualmente.

Diariamente, ele e o pai revezam com o carrinho, que pode ser encontrado no estacionamento de um supermercado localizado no bairro Estação Experimental.

Com preços que variam de R$ 2 a R$ 6, Mateus assegura que não falta clientela e dá para garantir um bom lucro semanal. O carrinho foi entregue recentemente pela SEPN e, desde então, ele afirma que sempre tem uma água geladinha para oferecer ao público que procura. “Quem toma uma vez quer tomar de novo”, garante.

Mateus afirma que a clientela tem aprovado (Foto: Diego Gurgel/Secom)

Assim como foi para Rebouças, o programa de incentivo ao empreendedorismo e pequenos negócios, criado em 2011, cumpre a função de gerar trabalho e renda para quem precisa.

“Veio em boa hora para minha família. Eu estava desempregado, meu pai está ruim de saúde e as coisas andavam bem difíceis. Da venda daqui é certeza ter renda, e isso mostra o quanto esse programa ajuda as pessoas”, frisa o jovem.

Mais de R$ 3 mil são investidos em cada carrinho (Foto: Diego Gurgel/Secom)

Vale ressaltar que no Acre mais de 22 mil famílias foram alcançadas com capacitações e kits individuais e coletivos, em mais de 30 frentes de trabalho.

Segundo o último levantamento feito pela Secretaria de Pequenos Negócios (SEPN), mais de R$ 33 milhões já foram investidos no estado.

Em 2016, mais de R$ 500 mil foram investidos apenas na aquisição de kits individuais. No caso dos carrinhos de água de coco, o investimento é superior a R$ 3 mil em cada unidade entregue aos beneficiários.

Até 2018, o governo pretende chegar à marca de 30 mil famílias atendidas e assistidas pelo programa.