Cumprindo determinações

“Estamos garantindo a desobstrução das ruas e a dispersão a partir das 22 horas”, diz secretário de Segurança, sobre as manifestações em frente ao 4º BIS

Paulo Cézar Rocha dos Santos afirmou que o uso da força para retirar as pessoas não foi determinado pela Justiça estadual, nem pelo STF; situação é monitorada e controlada pela Sejusp, por meio das Forças de Segurança e da Inteligência

O secretário de Estado de Justiça e Segurança Pública do Acre, Paulo Cézar Rocha dos Santos, afirmou nesta terça-feira, 8, que as manifestações bolsonaristas pós-eleições em frente ao Quartel do 4º Batalhão de Infantaria e Selva (4º BIS), em Rio Branco, são monitoradas pela Sejusp e controladas pela Polícia Militar do Estado do Acre (PMAC), em conformidade com as determinações da Justiça estadual e do Supremo Tribunal Federal (STF).

Socorro Rodrigues, vice-presidente da OAB/AC reuniu-se com o secretário de Segurança, Paulo Cézar Rocha dos Santos. Foto: Dhárcules Pinheiro/Asscom Sejusp

De acordo com o secretário, em encontro com Socorro Rodrigues, vice-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil – Secção Acre (OAB/AC), na sede da Sejusp, duas situações estão sendo fortemente coibidas pela PMAC, nesses episódios.

A primeira delas é impedir que o acesso pela Rua Colômbia, em frente ao 4º BIS, seja obstruído e a segunda, fazer valer que a ordem pública não seja perturbada a partir das 22 horas.

Conforme o secretário, as pessoas estão se concentrando na Rua Valério Magalhães, no eixo de entrada do portão principal do quartel, que desemboca na Rua Colômbia. E que na mesma Valério Magalhães também não há prejuízo para o livre acesso da via, já que os policiais colocaram grades no local, concentrando os manifestantes às margens da rua.

Secretário Paulo Cézar apresenta detalhes do que vem sendo feito pelo governo do Estado para manter a ordem em frente ao 4º BIS. Foto: Dhárcules Pinheiro/Asscom Sejusp

“É preciso ficar claro que não podemos e não vamos usar a força para a retirada dessas pessoas, porque não há determinação judicial para isso. Pelo contrário, a recomendação é usar a moderação, porém, garantindo a ordem pública e o ir e vir das pessoas”, ressalta o gestor.

Socorro Rodrigues, por sua vez, destaca que a OAB/AC criou entre seus membros um grupo de verificação para acompanhar esses atos. “Viemos aqui conversar, para acompanhar, obter informações e prestar o nosso apoio à Sejusp. Trata-se de um fato anormal, que deve ser tratado com toda a atenção possível para que seja garantida a lei, a ordem e a paz”, destacou a vice-presidente da OAB/AC. Na ocasião, ela presenteou o secretário com uma caneca personalizada da OAB/AC.

Socorro Rodrigues, vice-presidente da OAB/AC, em reunião com o secretário de Segurança, Paulo Cézar Rocha dos Santos. Foto: Dhárcules Pinheiro/Asscom Sejusp

Um dado que merece atenção é que a manifestação é esvaziada de dia e vai ganhando consistência à medida que a tarde vai terminando e a noite começando. É partir das 18 horas que famílias inteiras, incluindo crianças e idosos, aglomeram-se nos espaços delimitados pela PMAC na Rua Valério Magalhães.

Vice-presidente da OAB/AC e secretário de Segurança: a representante da Ordem presenteou o gestor com caneca personalizada. Foto: Dhárcules Pinheiro/Asscom Sejusp