Entidades se unem para combater alcoolismo nas aldeias Katuquina

O álcool tem prejudicado a boa convivência entre os indígenas e estimulado a violência (Foto: Onofre Brito)
O álcool tem prejudicado a boa convivência entre os indígenas e estimulado a violência (Foto: Onofre Brito)

A Rede Reviver, que trabalha no enfrentamento à violência contra mulheres, abriu uma grande frente de apoio ao povo Katuquina que habita a terra indígena situada às margens da BR-364, a 50 quilômetros de Cruzeiro do Sul.

A Rede Reviver é formada pelo Ministério Público Estadual (MPE), Centro de Referência Vitória Régia, Casa de Abrigo do Juruá, Delegacia da Mulher, Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas), Projeto Vida Nova, Hospital da Criança e da Mulher (Maternidade), Juizado da Infância e Juventude, Conselho Tutelar, e Central de Atendimento à Mulher.

A essas entidades se juntaram outros como a Fundação Nacional do Índio (Funai), Distrito Sanitário Especial de Saúde Indígena (DSEI), Conselho Indigenista Missionário (CIMI), Departamento Estadual de Trânsito (Detran), Secretaria de Estado de Educação e Esporte (SEE) com objetivo de formalizar uma frente de apoio que tomou o nome de Rede Katuquina.

Rosalina Souza conta que a proposta para esta ação partiu dos próprios indígenas (Foto: Onofre Brito)
Rosalina Souza conta que a proposta para essa ação partiu dos próprios indígenas (Foto: Onofre Brito)

Rosalina Souza, diretora da Rede Reviver, conta que a decisão de formar a Rede Katuquina partiu de uma demanda da própria comunidade. “Os indígenas pediram que fizéssemos um trabalho dentro das aldeias por causa do alto índice de alcoolismo e violência que está acontecendo.”

Segundo Rosalina, até as adolescentes já estavam começando a beber.

Como primeira atividade da rede, nesta sexta-feira, 5, foi realizada uma palestra promovida por educadores de trânsito do Detran nas aldeias Waninawa e Campinas.

Foi também um pedido dos indígenas, tendo em vista que a BR-364 corta a terra indígena em 18 quilômetros e já foram registrados acidentes envolvendo indígenas. A atuação da Rede Katuquina não tem prazo de duração.

De acordo com Rosalina, as atividades prosseguem neste ano e no ano que vem e envolverão outros tópicos como agricultura, artesanato, esportes, Bolsa Família, tudo para fortalecer as comunidades e incentivar os indígenas a que permaneçam morando em sua terra.

Caiçuma

 

“A ação da Rede Reviver é um presente para nós”, comentou o cacique Maurício (Foto: Onofre Brito)
“A ação da Rede Reviver é um presente para nós”, comentou o cacique Maurício (Foto: Onofre Brito)

A psicóloga do Distrito Sanitário Especial Indígena, Janete Silva Carneiro, analisou que a criação da rede ajuda muito no trabalho do distrito sanitário. “A gente já vinha nessa luta contra o alcoolismo nas aldeias e pretendemos levar essa conscientização a todas as aldeias do Alto Juruá”, disse.

Para o cacique da aldeia Waninawa, Maurício Silva de Souza, a criação do grupo é um presente. “O pessoal está trazendo sua experiência, seu conhecimento para a gente se organizar mais e cuidar de nossa saúde, das crianças e dos idosos.”

Para o cacique, é importante que a aldeia se livre do álcool, e se alguém quiser beber, beba caiçuma. “É da nossa tradição”, pondera.