Enfermagem: além da profissão, um ato de amor

Os enfermeiros são responsáveis por cuidar, medicar e acompanhar a evolução do quadro clínico (Foto: Júnior Aguiar/Sesacre)
Enfermeiros são responsáveis por cuidar, medicar e acompanhar a evolução do quadro clínico (Foto: Júnior Aguiar/Sesacre)

O Dia Internacional do Enfermeiro foi comemorado na última quinta-feira, 12, data que lembra o aniversário de nascimento da “mãe” da enfermagem, Florence Nathingale. São esses profissionais da saúde os responsáveis pelos cuidados recebidos durante as internações nas unidades de saúde dos estados e municípios.

Pensando nesses cuidados e zelo que a profissão exerce com seus pacientes, conversamos com acadêmicos do curso de Enfermagem da Universidade Federal do Acre (Ufac), para que eles nos falassem da escolha de suas futuras profissões.

: “A partir dos cuidados que minha mãe recebeu dos enfermeiros do HC, me encantei pela profissão”, contou Jazon Tazai (Foto: Raylanderson Frota/Sesacre)
“A partir dos cuidados que minha mãe recebeu dos enfermeiros do HC, eu me encantei pela profissão”, contou Jazon Tazai (Foto: Raylanderson Frota/Sesacre)

Para o acadêmico Jazon Tazai, a admiração pela profissão surgiu quando a mãe esteve internada no Hospital das Clínicas de Rio Branco (HC), onde foi submetida a uma cirurgia.

“Durante o processo pós-operatório, o momento de recuperação necessário para o paciente, pude observar a confiança que minha mãe tinha em um dos enfermeiros que acompanhava seu processo de recuperação. A partir daquele momento, e da forma que eles cuidaram da minha mãe, vi que era aquilo que eu gostaria de fazer para o resto da vida”, lembrou Tazai.

O processo de escolha da profissão, até o ingresso no ensino superior, é importante para o estudante se tornar um profissional preparado para o mercado de trabalho. Isso, contudo, não seria possível sem o acompanhamento dos professores e orientadores.

“Sem dúvida, o acompanhamento que nós, professores, realizamos com os alunos é fundamental para esta formação, que dura, em média, quatro anos. Durante o período acadêmico, eles aprendem toda a assistência de enfermagem e legislação em saúde pública, para que possam se tornar futuros profissionais, coerentes e preparados para poder realizar os atendimentos àqueles que necessitam de seus cuidados”, informou Isabela Nogueira, professora-doutora do curso de enfermagem da Ufac.

Ensino acadêmico permite que o aluno se torne um profissional preparado para o mercado (Foto: Raylanderson Frota/ Sesacre)
Ensino acadêmico permite que o aluno se torne um profissional preparado para o mercado (Foto: Raylanderson Frota/ Sesacre)

Para Wagner Lima, acadêmico do oitavo período de Enfermagem, o que o incentivou a ser enfermeiro e concluir o curso foi um gesto de gratidão recebido de um dos pacientes que ele acompanhou durante o período de estágio supervisionado.

“Quando chegamos ao quarto período do curso, começamos a realizar os estágios, e tive meu primeiro contato prático para cuidar dos pacientes. Nas aulas práticas, um dos pacientes, Francisco Melo, ficou muito agradecido pela atenção dada a ele. Isso para mim foi muito importante, representa a gratidão e o reconhecimento que os pacientes têm com os enfermeiros”, concluiu Lima.