Embrapa Acre sedia Workshop de Articulação da Pimenta-Longa

Acre tem em abundância plantas aromáticas fornecedoras de óleos essenciais

O Brasil busca formas alternativas para produção de safrol, usado em cosméticos e tintas. Por isso, a Embrapa Acre, em parceria com nove outras unidades, realiza de 14 a 16 de outubro, em Rio Branco, o 1º Workshop de Articulação da Pimenta-Longa. A programação começa à 8h30, no auditório da unidade. Pesquisadores de diversos Estados vão se encontrar para debater estratégias e arranjos institucionais para o desenvolvimento de um projeto de pesquisa em rede, contemplando espécies com potencial para extração de óleos essenciais.

A Pimenta-Longa é muito utilizada para produção de cosméticos, sendo comercializada e produzida somente na China e no Vietnã. A pimenta é encontrada em abundância em áreas de capoeira do Acre e está entre as principais plantas aromáticas fornecedoras de óleos essenciais. Extraído das folhas e talos finos por meio de processo de destilação através do vapor, o óleo essencial de pimenta-longa é rico em safrol e o de pimenta-de-macaco em dilapiol, substâncias vastamente utilizadas em diversas áreas comerciais.

O encontro busca alternativas para melhorar o sistema produtivo, agregando grande produtividade com baixo custo, sempre levando em conta a importância econômica, sem esquecer o lado social e ambiental.

O Brasil já foi o maior produtor de safrol, utilizado como matéria-prima para medicamentos, tintas e perfumes. Durante a década de 80 até 90, o safrol era extraído da canela de sassafrás. Com o aumento da exploração e o iminente risco de extinção, o país passou a importar a matéria-prima, mas fez com que as empresas buscassem novas fontes de obtenção para o produto. A pimenta-longa é uma fonte alternativa e renovável devido a sua facilidade de rebrota após o corte.

No segundo eixo das pesquisas com óleos essenciais desenvolvidas pela Embrapa Acre está o dilapiol, substância usada na composição de inseticidas naturais. Esse produto apresenta elevada eficiência no controle biológico de pragas da agricultura, como a broca-do-abacaxi.

Segundo Rondinelli, um dos grandes desafios é desenvolver um sistema de cultivo que agregue valor ao produto final, por meio do processamento primário no campo, como forma de elevar a renda do produtor. "O fortalecimento das ações de pesquisa e transferência de tecnologia deverá atrair novos investimentos na cultura e garantir ao Acre posição de destaque no cenário nacional", afirma.