Doar sangue: meio litro a menos, uma vida a mais

Estudantes incentivam a doação de sangue durante apresentação de Feira de Ciências (Foto: Assessoria Sesacre)
Estudantes incentivam a doação de sangue durante apresentação de Feira de Ciências (Foto: Assessoria Sesacre)

“Não tenho tempo”, “já doei”, “já vão doar”, “bebi ontem”, “tenho preguiça”… Essas são algumas das desculpas para não doar sangue. Pensando em incentivar a doação e ajudar o Centro de Hematologia e Hemoterapia do Acre (Hemoacre) a manter o estoque de bolsas de sangue na unidade, a escola estadual José Rodrigues Leite promove nesta sexta-feira, 12, a campanha “Meio Litro a Menos, uma Vida a Mais”.

A ação faz parte das atividades da Feira de Ciências, realizada anualmente pela escola.  O tema da Feira deste ano é “Cientistas”, e coube à turma 201 do segundo ano do ensino médio falar sobre a biofísica brasileira Eliana Abdelhay, que conseguiu produzir sangue artificial em laboratório a partir de células-tronco de embriões e camundongos, visando acabar com a falta no estoque de bolsas de sangue nos hemocentros.

Na ocasião, o ônibus do Hemoacre esteve estacionado no Calçadão do Passeio, no Centro de Rio Branco, aguardando por doações, no período de 8 às 12 horas.

Aluna da escola José Rodrigues Leite distribui panfleto incentivando doação de sangue ( Foto: Assessoria Sesacre)
Aluna da escola José Rodrigues Leite distribui panfleto incentivando a doação de sangue ( Foto: Assessoria Sesacre)

“Como o assunto do grupo tem tudo a ver com doação de sangue, a escola tomou a iniciativa de promover essa campanha, com o objetivo de ressaltar a importância da doação e alertar a população sobre a carência de doadores”, explica o professor de biologia da Escola, Marcos Willyan Silveira.

Os visitantes do estande da turma recebem informações sobre os componentes do sangue, a criação do sangue artificial e, ao final da apresentação, são orientados sobre a doação.

A professora de matemática, Rosivânia Nascimento, disse que acha importante ações como essa serem desenvolvidas nas escolas. “É bom para os alunos já tomarem consciência de assuntos tão importantes e serem ativos nas causas sociais”, declarou.