Do militar ao civil, Galvez trilha história no futebol acreano

Major Edener, diretor do Galvez, acredita que o futebol tem forte função social (Foto: Arison Jardim/Secom)
Major Franco, diretor do Galvez, acredita que o futebol tem forte função social (Foto: Arison Jardim/Secom)

Munido com a História do Acre, há cinco anos surgiu o Galvez Esporte Clube, time de futebol gerido pela Polícia Militar do Estado.

Após bons resultados no Campeonato Estadual dos anos anteriores, com o segundo lugar em 2015, o time conseguiu uma vaga na Copa do Brasil deste ano. O jogo será dia 20 de abril, contra o Rio Branco, no Florestão.

Antes formado por policiais militares, hoje o Galvez conta com um grupo de jogadores profissionais, entre acreanos e de outros estados.

A equipe está na briga pelos primeiros lugares no Estadual 2016 e empolga uma torcida cada vez mais presente aos estádios.

O diretor de futebol do clube, major Edener Franco, fala com empolgação sobre a importância da partida da Copa do Brasil e o que significa para o estado: “Vinte de abril é o dia do Acre no futebol brasileiro. É o momento de os acreanos encherem o estádio. Será a primeira competição nacional do Galvez”. Quem avançar enfrentará o vencedor de Santos (SP) e Santos (AP).

De olho na disputa nacional e também no restante da temporada, o time anunciou na última semana a contratação do atacante Araújo Jordão, e em breve deve anunciar reforço para a zaga.

O técnico Paulo Roberto de Oliveira Lima tem intensificado os treinos buscando corrigir erros durante os dois últimos jogos – o empate para o Rio Branco e a derrota para o Atlético. “Queremos encaixar a marcação com mais rapidez e, recuperando a bola, ter uma transição para o ataque também mais veloz”, explica.

Futebol é socializar

Com fortes conceitos militares de organização e socialização, o Galvez busca trabalhar, além dos campos, uma retomada das torcidas nos estádios e a formação de novos jogadores. “A prática do esporte é importantíssima”, afirma Franco, apresentando um detalhismo que vai do símbolo do time no uniforme infantil ao hino do clube, que em breve vai ganhar duas novas versões.

“Os times de base, a formação de novos jogadores, é importante também para a fomentação da torcida”, explica o major, mostrando o exemplo de Glória Medeiros, que vai a todos os jogos do clube.

Franco acredita que o trabalho da base vai dar um novo ânimo para o futebol acreano e também para as famílias envolvidas: “Não podemos só ter jogadores de fora. Se, desses cem jovens treinados, um se tornar jogador e os outros seguirem suas vidas com o respeito que praticamos aqui, teremos um futuro”.

O Galvez Esporte Clube, time formado pela centenária Polícia Militar do Acre, dando o nome em homenagem ao herói acreano Imperador Luis Gálvez, que proclamou a República do Acre em 1899, quer mostrar ao futebol acreano que o esporte também contribuiu na construção de um estado. “Futebol vai além de correr atrás de uma bola, além de fazer um gol. Futebol é poder se socializar”, ratifica Franco.

Meu filho Roberto tem 10 anos, é autista e foi recebido na escolinha do Galvez EC com muito carinho, muito respeito e…

Publicado por Gloria Medeiros em sexta, 25 de março de 2016