Cultivo de flores e folhas: valorização do saber popular e geração de renda

Catálogo com identificação das espécies cultivadas será lançado com recursos do convênio

Catálogo com identificação das espécies cultivadas será lançado com recursos do convênio

A prática do cultivo de flores e folhas, repassada de pais para filhos apenas com intuito de tornar mais colorido e belo os jardins das residências em Rio Branco, ganha mais força enquanto produto, através do projeto "Jardinagem Comunitária: Flores e folhas tropicais da Amazônia", criado em 2003, pela Coordenadoria Municipal da Mulher. O conhecimento no manuseio da terra e cultivo foi valorizado e também se tornou fonte de renda para várias famílias a partir da iniciativa.

 

Por acreditar na prática como um pequeno projeto em termos de investimentos, mas grandioso no que se refere ao seu potencial social, o governador Binho Marques, fez questão de assinar o convênio com a prefeitura de Rio Branco, através da Coordenadoria da Mulher, na presença de todos os representantes de grupos que atuam no projeto Jardinagem Comunitária.

Além dos cinco grupos com os quais atuava, o projeto abrangeu, a partir do convênio de 42.285 mil, mais três grupos, totalizando 48 famílias beneficiadas.  Binho Marques diz que o Governo do Estado acredita na possibilidade e força dos pequenos empreendimentos que, segundo ele, tem a capacidade de gerar grandes transformações. "Acreditamos que a força do Acre está em ações como a de vocês, que se baseia na solidariedade e união", ressaltou o governador aos grupos.

O prefeito Raimundo Angelim reforça que o trabalho feito pelas pessoas que atuam no projeto é de um grande significado e considera este, um dos mais importantes convênios realizados entre prefeitura e Governo, pela sua dimensão social. "Esse projeto é uma construção de vários parceiros, onde cada um fez um pouco. Uma cidade não se faz só de concreto, e essa iniciativa representa vida. Apostamos nela como uma ação de sucesso", diz.

A frente da Coordenadoria Municipal da Mulher, Rose Scalabrin, ressalta que o convênio possibilitará a qualificação profissional das pessoas que atuam no projeto com o saber popular, atribuindo mais conhecimento que permitam melhorar sua produção. "O convênio também possibilitará a confecção de um catálogo com a identificação das espécies cultivadas por eles", comenta.

Um novo norte – Do saber repassado pela família, Livaneiva Paiva, 30, que mora no ramal Tucumã, tornou a arte de cultivar flores em fonte de renda. Presidente da Associação de Produtoras de Flores e Folhas Tropicais, ela diz que o convênio assinado entre Governo e prefeitura é um reconhecimento ao trabalho que faz junto aos outros colegas. "Queremos agradecer o apoio do Governo e da prefeitura que acreditam em nosso trabalho", diz.

Outra produtora de flores, Marinez Rodrigues, 47, diz que começou a cultivar flores com a família, depois repassou a vizinhos e amigos, até fundar o grupo Professora França, um dos integrantes do projeto. "Estou otimista com esse convênio, ele permitirá aumentarmos nossa produção e nossa renda".