Economia

Comércio acreano se veste com as cores do Carnaval e aposta no aumento de vendas durante a folia

Para parte da população, Carnaval é sinônimo de festa, folgas e muita folia. Já para o setor econômico, é uma oportunidade de aumentar as vendas e fechar negócios. Em uma edição especial, o Fórum Empresarial de Inovação e Desenvolvimento do Acre divulgou, na quarta-feira, 7, um boletim de conjuntura econômica voltado para a economia no Carnaval, que mostrou que 75 mil pessoas pretendem aproveitar a folia, em Rio Branco.

Comércio fica movimentado com venda de acessórios para o Carnaval. Foto: Neto Lucena/Secom

A pesquisa foi feita entre 8 e 14 de janeiro. Diante do questionário aplicado, o boletim constata que o público neste Carnaval deve ser formado por pessoas pardas e brancas, em sua maioria, com mais de 90% de brincantes com pelo menos o nível médio completo, rendimento mensal médio oscilando na casa de dois salários-mínimos, com idade média de 26 anos e solteiros.

E já no clima de alegria, o comércio se vestiu do colorido do Carnaval e tem apostado em promoções e acessórios diferentes para todos os gostos. Jandira Araripe, ao lado da amiga Fátima Motinho, já havia passado por três lojas escolhendo o melhor look para a festa. “Viemos em busca de adereços para ornamentação e para tirarmos boas fotos”, conta Jandira.

Jandira passou por três lojas para escolher os adereços de Carnaval. Foto: Neto Lucena/Secom

Estênio Carvalho também foi em busca de acessórios para a família curtir o Carnaval. “Achei muita coisa legal. Há muita diversidade e também estou levando material para ornamentação”, diz.

O levantamento destaca, ainda, que existe um mercado potencial de aproximadamente 60 mil pessoas, que estão dispostas a consumir os serviços.

Comércio colorido

Vitrines coloridas, cortinas metalizadas e muito, muito brilho, assim estão as lojas de Rio Branco para chamar a atenção e vender os produtos de Carnaval.

Jaqueline Noronha trabalha há 27 anos em uma loja referência na venda desses artigos. Ela disse que o spray de purpurina foi o destaque deste ano.

“As pessoas buscam muito brincos, máscaras de painel, cortinas, enfeites para cabelo, pompons e óculos coloridos. Além disso, as pessoas também buscam sombrinhas diferentes, fantasias, spray de cabelo, enfim, todos aqueles produtos mais tradicionais”, disse.

Dona da loja de fantasia, Maria Isabel conta que o movimento deve aumentar ainda mais no fim de semana. “Temos tido muitas buscas, tanto infantil como adultas, e, desde terça-feira, 6, as pessoas começaram a vir mais. Carnaval é uma época muito boa para a gente”, disse.

Comércio aposta em muitas cores para chamar a atenção dos clientes. Foto: Neto Lucena/Secom

Carnaval da Família

Promovido pelo governo do Acre, o Carnaval da Família inicia nesta sexta-feira, 9, com o Baile da Terceira Idade, que abre a festividade, a partir das 16h30, na Gameleira, em Rio Branco.

Já às 18h começa o desfile do Bloco Sambase, e às 19h terá início o show da Banda Arregaça-aê. Nos intervalos, a DJ Cau Bartholo anima o público. Às 21h Ferdiney Rios e Banda se apresentam e, no encerramento, Eduardo Safadão e Banda, às 23h. (Veja aqui a programação completa)

Carnaval movimenta comércio na capital. Foto: Neto Lucena/Secom

O secretário de Estado de Governo, Alysson Bestene, destacou que o Carnaval é um período de injeção na economia, criando um ambiente econômico de criação de postos de trabalho e vendas em alta.

“Tudo isso gera novas oportunidades de emprego para as bandas, àqueles profissionais da área da cultura que estavam parados sem uma participação em um contrato e, consequentemente, todos eles também passam a ter esse trabalho durante as cinco noites de Carnaval. Além disso, temos a economia solidária com as comidas típicas, bebidas. Tudo isso também gera uma economia, porque vai ter o movimento das pessoas e do próprio comércio local”, explica.

Economia

Na Gameleira, o secretário espera que muitas pessoas possam curtir a festa com toda a segurança e estrutura montada pelo governo do Estado.

Comércio aposta na alta das vendas durante as cinco noites de Carnaval. Foto: Neto Lucena/Secom

“Ali é um local que resgata a nossa tradição do Carnaval. É um evento que envolve várias frentes de trabalho que envolvem a economia. Os comércios passam a vender mais, os supermercados, e, consequentemente, isso se reverte em impostos para o governo e cada vez mais na qualidade de vida das pessoas”, finaliza.