cerco tático

Com operação integrada, Segurança visa coibir roubo de veículos e incidência de crimes contra a vida

A manutenção do desenvolvimento positivo das ações da política de segurança pública é um dos principais desafios a serem vencidos. Desta forma, o Sistema Integrado de Segurança Pública iniciou nesta sexta-feira, 3, a Operação Fecha Fronteiras, que visa coibir o roubo de veículos e a incidência de crimes contra a vida. A operação, que tem tempo de duração indeterminado, acontece em 11 pontos estratégicos da capital acreana.

A operação tem como foco realizar um cerco tático na cidade de Rio Branco, bem como nos acessos ao estado de Rondônia e na fronteira com a Bolívia. Nas principais pontes da cidade, uma estrutura já foi montada para a realização de abordagem veicular. Em paralelo, ações específicas serão realizadas pelo Grupamento Especial de Fronteira (Gefron), Polícia Penal, no interior dos presídios, e pelas Polícias Civil e Militar, em bairros em que a incidência de crimes de execução tem se manifestado de forma mais acentuada nos últimos dias.

A operação acontece em 11 pontos estratégicos além de abordagens em bairros da capital Foto: Elenilson Oliveira

O secretário de Justiça e Segurança Pública, Paulo Cézar Santos, destacou que a operação atua em caráter preventivo, pela manutenção da ordem e bem-estar da sociedade. “São 11 pontos de abordagem com objetivo de reprimir o roubo e furto de veículos, bem como a ação de criminosos que envolvam assassinatos de rivais faccionados”, frisou.

O tenente coronel Atahualpa Ribera explicou que, como a maior parte dos veículos roubados com destinação principal às fronteiras é fruto de crimes cometidos na capital, a operação inicia em Rio Branco, mas se estende ao longo de toda a fronteira do estado do Acre. “Nós temos também abordagens a pessoas, motocicletas, veículos, o que naturalmente coíbe a ação de pessoas que possam portar arma, ou que possam estar com mandado de prisão em aberto”, disse.