Circuito Documentário exibe filme de Sílvio Tendler

"Encontro com Milton Santos ou o mundo global visto do lado de cá", será exibido às 19 horas, desta quarta-feira


milton_santos.jpg

Premiado no Festival de Brasília (2006), o documentário Encontro com Milton Santos ou o mundo global visto do lado de cá, de Silvio Tendler, será exibido no Circuito Documentário, nesta quarta-feira, às 19 horas, na Biblioteca da Floresta. O longa leva às telas a vida e obra do geógrafo mineiro, autor do livro "Por uma outra globalização", publicado em 2000, um ano antes de sua morte.

A concepção que o pensador tem sobre o processo de globalização é o que mais interessa no filme, que ganhou o prêmio do público em Brasília. Para ele, apesar de o fenômeno ser inevitável, é possível mudar a forma como se processa, deixando de beneficiar apenas os países mais ricos em detrimento dos mais pobres. Esse processo, segundo Santos, vem ocorrendo em diversos níveis desde os Grandes Descobrimentos, no séculos 15 e 16.

Milton Santos foi um dos grandes críticos da globalização. O geógrafo ressalta em entrevista no filme que jamais houve uma diferença tão acentuada entre o Norte e o Sul, o que acabou gerando uma dependência maior dos pobres. Por isso, ele defende uma nova divisão internacional do trabalho.

Para embasar o filme, Silvio Tendler ("Os anos JK, uma trajetória política", "Jango") vale-se de crises recentes em países em desenvolvimento, como a Argentina e o Equador, ressaltando a concepção de Milton Santos de que o homem deixou de ser o centro do universo — posto ocupado agora pelo dinheiro.

Há momentos interessantes no filme, quando, por exemplo, um grupo de turistas vai fazer o que chamam de safári na favela da Rocinha, no Rio de Janeiro, enquanto moradores da mesma comunidade vão passear e se deslumbrar em um shopping center. Santos costumava dizer que "a globalização é uma fábrica de perversidade".

Encontro com Milton Santos, em seus melhores momentos, mostra a lucidez de um grande intelectual brasileiro para quem estamos caminhando rumo a aldeia global sugerida por MacLuhan, mas que também é possível que países pobres façam deste um mundo melhor para seus habitantes.

Serviço: Biblioteca da Floresta – Parque da Maternidade, próxima a Concha Acústica – Tel.: 3223-9939