Chama Olímpica vira símbolo do centenário da Polícia Militar do Acre

Coronel Júlio Cesar conduziu a tocha em alusão aos 100 anos da polícia no Acre (Foto: Angela Peres/Secom)
Coronel Júlio Cesar conduziu a tocha em alusão aos 100 anos da polícia no Acre (Foto: Angela Peres/Secom)

A passagem da Chama Olímpica pelo Acre nesta terça-feira, 21, não fez deste um momento histórico apenas para a população civil do estado, mas representou algo especial para toda a Polícia Militar do Acre.

Ao passar em frente ao quartel da corporação nesta tarde, com a Tocha conduzida pelo próprio comandante da Polícia Militar, coronel Júlio César, a Chama Olímpica acabou fazendo parte das comemorações do centenário da instituição, comemorado este ano.

O oficial explicou que a presença de um representante militar deu-se pelos diversos trabalhos desenvolvidos nas áreas sociais e esportivas, nas quais a PMAC atua preventivamente com jovens em todo o Acre.

“Sinto-me honrado em representar cada policial militar e servidor civil da PMAC neste momento histórico para a população acreana. Muito me orgulha o reconhecimento ao trabalho desenvolvido por nossos profissionais, em projetos como a Escolinha de Música, o Proerd, a Escolinha de Futebol, a Guarda Mirim e outros, que fazem a diferença na vida de milhares de crianças e adolescentes todos os dias”, salientou Júlio César.

Dezenas de crianças que compõem a Guarda Mirim fizeram um verdadeiro corredor humano em frente ao quartel da PM durante a passagem do comandante com a Tocha. A banda da Polícia Militar, a Furiosa, aproveitou para entoar músicas clássicas do Acre, como “Ao Chico”, de Tião Natureza.

Como o quartel da Polícia Militar fica em frente à Praça da Revolução, um dos maiores símbolos turísticos do Acre, centenas de pessoas prestigiaram a passagem da Tocha. Uma delas foi Maria Jocastro, que, mesmo numa cadeira de rodas, saiu do Residencial Joafra e foi ao Centro da cidade prestigiar a passagem da chama olímpica. “É um momento único. Fiz questão de vir, e acho que é algo que todos deveriam ver também”, conta.

Após a homenagem, o comandante-geral da PMAC passou a chama da Tocha Olímpica para a indígena Alana Manchineri, que seguiu no revezamento até o Palácio Rio Branco.

Símbolo Olímpico

A Chama Olímpica foi acesa em uma cerimônia no Templo de Hera, em Olímpia, na Grécia. Todas as capitais brasileiras serão visitadas pela comissão de patrocinadores, que leva a festa a todos os lugares pelos quais passa, desembarcando no Rio de Janeiro no dia 5 de agosto, data da abertura dos Jogos Olímpicos. Após Rio Branco, a Chama segue para Porto Velho, em Rondônia.