Brasil e Haiti, um mundo de histórias

[vc_row][vc_column][vc_custom_heading text=”Brasil e Haiti, um mundo de histórias” font_container=”tag:h2|font_size:50|text_align:center|color:%230a0a0a” google_fonts=”font_family:Fira%20Sans%3A300%2C300italic%2C400%2C400italic%2C500%2C500italic%2C700%2C700italic|font_style:500%20bold%20regular%3A500%3Anormal”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]

Explodir pedras, perfurar rochas, construtores. Varrer ruas, limpar praias brasileiras, garis. Depenar galinhas, subir caixotes. Por que não vender bijuterias, artesanato? Esses são os destinos de professores, técnicos de enfermagem, mecânicos, contadores, pedagogos haitianos, senegaleses, dominicanos quando encontram o solo brasileiro.

Pessoas qualificadas e com um sonho de reerguer suas vidas com o trabalho. Muito trabalho para reconstruir o que nem mesmo terremotos ou crises econômicas e sociais podem fazer ruir: sua dignidade.

O destino desses sonhadores é um Brasil que parece aquecer cada vez mais sua economia, abrindo postos de trabalhos diversificados, muito bem anunciados entre os viajantes que aportam em Brasileia, Acre, que tem funcionado como porta de entrada para o país. Porta por onde já  passaram mais de seis mil imigrantes.

O governo do Estado oferece três refeições por dia aos imigrantes, desde 2010 já foram gasto 3 milhões de reais (Foto: Angela Peres/Secom)

O governo do Estado oferece três refeições por dia aos imigrantes. Desde 2010 já foram gastos R$ 3 milhões (Foto: Angela Peres/Secom)

Desses tantos, alguns fazem questão de contar suas histórias. Correm, amotoam-se e desandam a falar, na língua que mais for compreensível – crioulo, francês, espanhol, inglês, wolof -, o importante é tentar fazer os outros entenderem cada passo de suas viagens, de seus diplomas, da vontade de encontrar um bom trabalho.

Paramos e ouvimos um rapaz de fala mansa, bem vestido, roupa quase passada a ferro. Croinchy Zache, 32, haitiano, nascido em Jaemel, pergunta em um inglês fluente: “Você sabe onde posso conseguir bons livros de português?”.

Seu sonho é trabalhar dando aulas ou como tradutor no Brasil. Estudou inglês na República Dominicana e, com o diploma na mão, diz: “No Haiti não é fácil arrumar um bom trabalho, mesmo que você tenha graduação”. Ele aponta para mais dois amigos – um contador e outro turismólogo -, todos com o diploma à mostra. E sentencia: “Estou aqui para mudar de vida”.

Croinchy Zache exibe com orgulho diploma de inglês avançado conquistado na República Dominicana (Foto: Arison Jardim/Secom)

Croinchy Zache exibe com orgulho diploma de inglês avançado conquistado na República Dominicana (Foto: Arison Jardim/Secom)

Em meio à confusão de braços e bocas na espera de uma marmita para o jantar, Chisnel Laventures pensa no passado recente de seu país e em um futuro próximo para si. Ele tira fotos dos companheiros de abrigo famintos e comenta: “Quero um dia lembrar dessas dificuldades”. Com um olhar esperançoso, continua: “Quando estivermos de volta com a dignidade que tínhamos”.

Órfãos da pátria haitiana

Laventures é haitiano, como a maioria dos seis mil imigrantes que passaram pelo Acre. Um país destruído por um terremoto em janeiro de 2010, mas historicamente ainda mais abalado por sua economia e desigualdade social.

Haiti convive há anos com a fuga de sua população (Foto: Angela Peres/Secom)

Haiti convive há anos com a fuga de sua população (Foto: Angela Peres/Secom)

Apesar do seu protagonismo como a primeira colônia a se tornar independente das metrópoles europeias, em 1804, o Haiti é hoje o país mais pobre da América Latina. Antes mesmo do desastre de 2010, a situação era crítica – 80% da população vivia abaixo da linha da pobreza.

Somada à miséria extrema, a questão política esteve sempre instável entre 1820 e 1996, razão pela qual o país tem sofrido grandes impactos regionais devido a processos migratórios. Conflitos internos deslocaram mais de 300 mil pessoas para fora de suas cidades.

Entre 1991 e 1994, os Estados Unidos foram foco de uma onda migratória que movimentou 68 mil pessoas. Deixaram o Haiti e com apenas um dia de barco chegavam ao mais poderoso país do mundo. Outros 30 mil foram para a República Dominicana.

Brasil, nova realidade e oportunidades

O casal Vilsaint se reencontrou em Brasileia após um ano de saudade, as filhas serão as próximas a vir (Foto: Angela Peres/Secom)

O casal Vilsaint se reencontrou em Brasileia após um ano de saudade. As filhas serão as próximas a vir (Foto: Angela Peres/Secom)

O amor e a alegria. A esposa e duas filhas ficaram para trás há  um ano para Vilsaint Letesse. Ficaram em um Haiti sem perspectivas, sem emprego, numa miséria que aumentou quando a terra tremeu em janeiro de 2010. Foram 7 graus de magnitude na escala Richter de impacto e outras 14 réplicas de magnitude 5. Quase 300 mil mortos.

Nesse cenário, Letesse resolveu procurar uma solução para a família. Juntou o dinheiro que tinha, reuniu parentes e conseguiu ao todo 3 mil dólares. Era a chance para embarcar em uma rota que se consolidava. Passou pela República Dominicana, Panamá, Peru e chegou até o Brasil por Brasileia em 4 de janeiro de 2012.

Não demorou muito e o pedagogo, que sonhava um dia estudar filosofia e bioquímica, foi contratado para explodir pedras. “Eu perfuro, coloco a dinamite, e buuuum!”, ilustra. Ele está há um ano e alguns meses trabalhando na usina hidroelétrica de Santo Antônio, em Rondônia.

Mas o que fazia o caribenho empregado em Brasileia? Ele estava ali para buscar parte de sua felicidade – a esposa acabara de chegar ao Brasil. Lá estava sorridente Vilsaint Mirlene Charls. Letesse fez logo questão de levá-la ao seu hotel, que pôde pagar tranquilamente, graças ao salário mensal de um emprego estável. Ele já está com um contrato de mais um ano com a construtora.

A meta agora é arrumar a nova casa, alugada especialmente para a chegada de sua esposa, e trazer as duas filhas, de 9 e 6 anos. “Elas estão com as duas avós, mas devem estar chorando”, diz o pedagogo que detona rochas. “Mirlene chorava de saudade todos os dias.” A esposa confirma com um sorriso tímido.

O casal segue esperançoso que o novo país lhes garanta uma nova chance de viver, de crescer e de criar suas crianças. Ao menos podem em junho deste ano comemorar os 10 anos de casados. “A festa vai ser simples, mas estaremos juntos”, diz Mirlene, feliz da vida.

O abrigo

O Governo do Estado decretou esse mês Situação de Emergência Social para alertar o Governo Federal (Foto: Angela Peres/Secom)

O governo do Estado decretou este mês Situação de Emergência Social para alertar o governo federal (Foto: Angela Peres/Secom)

O espaço, cedido pelo governo do Estado, tem capacidade para 200 pessoas, mas nas últimas semanas está abrigando 1.300. Um mundo de línguas e histórias, “bonjour” nas primeiras horas do dia, “buenas tardes” à medida que o calor aumenta, “merci” sempre, “gracias” ainda mais… O que poderia se tornar um caos e revolta ainda maior transparece polidez e alguns sorrisos.

Manhã cedinho e pé no chão, lá se vão lavar a roupa da semana, escovar os dentes, despertar para mais um dia de luta. Em meio ao charco que rodeia o abrigo, o risco para transmissão de doenças. Há aqueles que trabalham para deixar o ambiente um bocadinho mais limpo.

Trissaint Ezechiel segue sempre sorridente, mesmo limpando a bagunça de seus colegas (Foto: Arison Jardim/Secom)

Trissaint Ezechiel segue sempre sorridente, mesmo limpando a sujeira feita pelos colegas (Foto: Arison Jardim/Secom)

Direto de L’Estère, Hait, Trissaint Ezechiel varre com simpatia a sujeira de seus companheiros. Simpatia em pessoa, Ezechiel informava sobre seus passos: lá ia ele tentar o café da manhã – pão e café com leite -, fornecido pelo governo do Estado.

Mesmo que as condições não sejam as melhores, o sorriso era recorrente. O lugar transparece esperança, como se aquela lama, colchões no chão, mil corpos dividindo o mesmo ar poeirento fossem o último estágio de sofrimento antes de uma nova vida.

O abrigo também é lugar de ouvir histórias. René Guerson, 31, já conhecia o Brasil, ainda mais a zona rural. Em 2010 ele foi um dos jovens haitianos escolhidos pelo Movimento Sem-Terra para conhecer a cultura camponesa.

São 1.300 histórias de uma nova vida, e o Acre virou uma porta de entrada para elas (Foto: Angela Peres/Secom)

São 1.300 histórias de uma nova vida, e o Acre virou uma porta de entrada para elas (Foto: Angela Peres/Secom)

No Brasil, Guerson teve oportunidades de vivenciar o campo em diversos Estados, como São Paulo, Espírito Santo e Sergipe. Por meses pôde estudar no Instituto Federal  do Sergipe. Agricultura agora é sua especialidade, coisa que vem de família, já que o pai e a mãe eram agricultores.

Passado um ano de experiência, voltou ao seu país, mas, insatisfeito com as oportunidades, juntou dinheiro trabalhando com o que aprendera e se mandou para o Brasil novamente, agora pela rota ilegal. O Brasil passou a conceder 1.200 vistos legais por ano para os haitianos, porém, a demanda cresce a cada dia, e a maioria prefere passar 15 dias viajando para tentar a sorte na fronteira Peru-Brasil.

Outras nacionalidades estão utilizando a rota da imigração ilegal que passa pelo Acre, os senegaleses já são 71 (Foto: Arison Jardim/Secom)

Outras nacionalidades estão utilizando a rota da imigração ilegal que passa pelo Acre. Os senegaleses já são 71 (Foto: Arison Jardim/Secom)

Grupos vindos de outros países têm se formado – senegaleses, dominicanos e um rapaz de Bangladesh. Logo pela manhã, um grupo se reúne para ler o Corão, livro sagrado dos islamismo. São do Senegal, e um deles afirma: “Nós, senegaleses, não temos problemas, só queremos trabalhar, tudo é trabalho”.

Eheilham Arimar-Thiam, 34, é como se fosse um líder no grupo. Fala português e está sempre à frente na conversa. O motivo da vinda de todos é só um: “Nosso país é muito pobre, não tem guerra, mas também não tem emprego”. Passou sete meses estudando o português, viajou vários países trabalhando e agora pretende chegar a São Paulo para encontrar o irmão.

As mulheres

Liceron Marie procura por emprego em sua área, quer trabalhar como enfermeira (Foto: Angela Peres/Secom)

Liceron Marie procura por emprego em sua área; quer trabalhar como enfermeira (Foto: Angela Peres/Secom)

“Sou enfermeira e quero trabalhar com o que eu sei. As empresas só contratam homens”, suplica Liceron Marie, 26, vinda de Delmas, Haiti. Uma realidade ainda mais dura para as mulheres, pois a maioria das empresas que recrutam os imigrantes é de construção civil.

Um estudo que envolve profissionais do Brasil, Equador, Peru, Bolívia e Haiti, realizado por organismos nacionais e internacionais, já está sendo feito. No caso do Brasil, a Organização Internacional para as Migrações (OIM), ligada às Nações Unidas, vai fazer parceria com o Ministério do Trabalho e Emprego.

O coordenador no Brasil é o professor da Pontifícia Universidade Católica (PUC) de Minas Gerais Duval Fernandes. O mercado de trabalho feminino já está entre os temas. “Elas não vão para a construção civil [maior contratante]. A possibilidade é conseguir trabalho em profissões como empregadas domésticas ou áreas de serviços”, diz o professor.

Apesar da dura viagem e das condições impróprias no abrigo, crianças também chegam ao Brasil pela rota ilegal (Foto: Angela Peres/Secom)

Apesar da dura viagem e das condições impróprias no abrigo, crianças também chegam ao Brasil pela rota ilegal (Foto: Angela Peres/Secom)

Outro ponto importante é a expectativa dos que chegam aqui. Muitos se submetem aos “coiotes” (espécie de atravessadores humanos), com a promessa de ganhar um salário de até R$ 10 mil. Mas a realidade encontrada é outra. A enfermeira Liceron está há um mês em Brasileia e soube de oportunidades a partir de um primo, que conseguiu chegar até São Paulo.

Uma das mulheres é contadora e mostra seu cartão comprovando a formação. Helas Rose-Mythe está há mais de um mês tentando ter acesso a sua documentação para permanecer legalmente no país e buscar a sorte. Ela, como os tantos e tantos seres humanos, dignos de uma boa vida, procuram o mínimo no Brasil.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]