Agentes penitenciários evitam a entrada de celulares e outros objetos em presídio

Os materiais foram identificados por ajuda do scanner corporal (Foto: cedida)

Agentes penitenciários prenderam no último fim de semana, duas pessoas que tentaram entrar no presídio Francisco D’Oliveira Conde (FOC), com aparelhos celulares, chips e drogas. A ação ocorreu durante a visita no domingo, 19, no momento da triagem que é feita com os visitantes, antes da entrada na unidade.

Após a identificação dos ilícitos, os acusados receberam voz de prisão e foram conduzidos à Delegacia de Flagrantes (Defla), para ficar à disposição da Justiça. Das pessoas presas, uma é servidora da empresa Tapiri, responsável pelo fornecimento das refeições e outra é cadastrada como visitante de um presidiário. Ambas portavam celulares e uma trazia o aparelho escondido nas partes íntimas.

De acordo com o diretor da FOC, Rames Mesquita, é rotineira a ação de pessoas que tentam burlar a segurança para adentrar na unidade com produtos ilícitos. “Estamos fazendo de tudo para evitar a entrada desses objetos, mas infelizmente ainda conseguem de uma forma ou outra, porém revistas periódicas são desenvolvidas nos pavilhões”, explicou.

Mesquita diz ainda que a direção está tomando várias medidas para evitar a entrada de objetos ilícitos, como detectores de metais, que neste caso foi de suma importância para identificação, bloqueadores de celular e estruturação das unidades prisionais.