Reconhecimento

Acre recebe certificação da Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano

A amamentação é essencial às crianças nos primeiros anos de vida. Nesse sentido, a Saúde do Acre desenvolve um importante projeto de coleta de leite materno, para que o maior número de crianças que necessitam de amamentação tenha acesso ao alimento.

Diante do trabalho de excelência desenvolvido pela Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre), por meio de seus Bancos de Leite Humano (BLH), a Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano (RBLH) concedeu o certificado de reconhecimento à Maternidade Bárbara Heliodora e aos postos de coleta do Hospital Santa Juliana e da Unidade de Referência em Atenção Primária (Urap) Augusto Hidalgo de Lima, pelos esforços realizados na campanha de coleta do alimento.

Manter os estoques de leite materno foi um desafio durante a pandemia. Foto: Neto Lucena/Arquivo Secom

Entre as ações realizadas pelo Banco de Leite estão a de fornecer e articular a locomoção das equipes dos postos de coleta até a casa das doadoras, a realização de visitas domiciliares para instruir como fazer a coleta do leite, além da realização de campanhas de incentivo a doação, com o objetivo de abastecer os bancos do estado e garantir o acesso desse alimento às crianças que necessitam. O reconhecimento das unidades, mediante a entrega dos certificados pela RBLH, se deu num momento importante para a saúde, visto que durante o período de isolamento da pandemia de Covid-19 os estoques de leite materno enfrentaram dificuldades para manter o nível.

“Sem a pandemia já é um desafio manter os estoques, sendo assim nós tivemos que redobrar os esforços para manter os níveis do banco de leite. Então, essas certificações celebram e mantêm os nossos avanços e os esforços para superar as adversidades que tivemos durante a pandemia”,  conta Priscylla Nunes, chefe do Núcleo Materno Infantil.

Nunes ressalta, ainda, que a a importância dessa certificação diz respeito ao reconhecimento pelo bom trabalho desempenhado pelo Banco de Leite Humano e os postos de coleta, que conseguiram atender às necessidades das crianças em um momento tão difícil para os acreanos.