restauração florestal

Acre, Amazonas, Pará e Rondônia apresentam resultados do Programa de Regularização Ambiental na COP27

O coordenador de Projetos Especiais da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e das Políticas Indígenas (Semapi), engenheiro florestal André Pellicciotti, participou de agenda conjunta com representantes do Ministério de Meio Ambiente (MMA) e dos estados do Amazonas, Pará e Rondônia para apresentação dos resultados dos projetos de fomento do Programa de Regularização Ambiental (PRA) no Acre.

André Pellicciotti apresentou resultados de projetos de fomento do Programa de Regularização Ambiental. Foto: Ângela Rodrigues/IMC

O painel foi realizado na tarde da quarta-feira, 16, na 27ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, a COP27, no miniauditório do Consórcio dos Governadores da Amazônia, em Sharm El-Sheikh, no Egito.

André Pellicciotti destacou o pioneirismo do Acre na formulação de estratégias para a implementação do PRA. Em seguida apresentou os avanços e as ações de apoio a pequenos produtores rurais da agricultura familiar na regularização ambiental dos imóveis e na restauração florestal das Áreas de Reserva Legal (ARL).

Painel foi realizado na tarde da quarta-feira, 16, na 27ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas. Foto: Ângela Rodrigues/IMC

“O ASL [Amazon Sustainable Landscapes Program ou Programa Paisagens Sustentáveis da Amazônia] desenvolveu uma agenda com foco na pauta da restauração florestal na Amazônia e vem continuamente oportunizando o apoio para o fomento da recomposição florestal de áreas desmatadas. No Acre, o projeto apoia as ações do PRA e a produção de mudas para os plantios no Viveiro da Floresta, além das ações com foco na gestão em unidades de conservação estaduais”, ressaltou.

As ações do PRA contam com aporte financeiro do ASL, por meio do Global Environment Facility (GEF), em português, Fundo Global para o Meio Ambiente, operado pelo Banco Mundial, por meio da execução da Conservação Internacional (CI-Brasil) e a coordenação do Ministério de Meio Ambiente, que possibilitam o reflorestamento para a restauração florestal de áreas com passivo ambiental com uso de sistemas agroflorestais (SAFs) no Acre.