65 mil pessoas prestigiaram o 10º Arraial Cultural

Evento comprovou a expressividade da cultura popular no Estado

finaldoarraial26.jpg

O 10º Arraial Cultural alcançou o sucesso esperado de público, organização e segurança. O evento finalizou sua programação no domingo, 6, comprovando ser um dos maiores na expressividade da cultura popular no Acre e na Região Norte. Os números divulgados pela coordenação apontam que cerca de 65 mil pessoas visitaram o espaço do estacionamento do Arena da Floresta nos seis dias do Arraial Cultural. No último dia o público visitante chegou a 17 mil pessoas, que foram especialmente para prestigiar a apresentação e premiação das três quadrilhas vencedoras, além da performance da Quadrilha da Terceira Idade e do show da cantora Verônica Padrão acompanhada pela banda Pimenta de Cheiro.

O público lotou a Arena dos Folguedos para assistir à premiação dos grupos juninos vencedores do 10º Concurso de Quadrilhas, que este ano abriu o leque para a integração com os municípios acreanos e trouxe como tema o meio ambiente.

Daniel Zen, presidente da Fundação de Cultura Elias Mansour, fez a entrega da premiação a Adelcimar dos Santos, representante da Pega-Pega. Primeira colocada no concurso, a Pega Pega recebeu um cheque no valor de R$ 3 mil e uma viagem a Goiânia (GO), com ônibus fretado, para participar do concurso nacional que acontece nos dias 2, 3 e 4 de agosto próximo.

"Esse é o décimo ano do Arraial e do Concurso de Quadrilhas em parceria com a Liga das Quadrilhas Juninas do Acre, e percebemos a cada ano que o arraial é mais prestigiado", disse o presidente da Fundação Elias Mansour, Daniel Zen. "Este ano nós tivemos um diferencial no concurso de quadrilhas, que foi a participação dos grupos juninos do interior, o que gerou uma integração entre a capital e os outros municípios."

Emoção, alegria e união na premiação 

A entrega dos prêmios foi para os grupos contemplados com o primeiro, segundo e terceiro lugares do concurso, bem como para a rainha, o ator destaque, o melhor animador, o melhor noivo e a melhor noiva. Após a premiação, como é de costume, cada grupo junino apresentou sua perfomance na Arena dos Folguedos. O grande momento de consagração foi quando os brincantes dos três grupos vencedores formaram um único cordão junino, levando o público a aplaudir de pé o verdadeiro show de cultura popular.

O terceiro lugar foi para a Matutos na Roça, que trabalhou o tema utilizando o texto O Homem que Vendeu a Alma ao Diabo e Quase Perdeu Seu Amor, do teatrólogo pernambucano Romualdo Freitas"A emoção não é apenas pela premiação, mas pela participação nesse momento no qual a cultura caipira do nosso Estado está crescendo e se desenvolvendo", comenta Cleber Roberto, representante da quadrilha, que iniciou sua apresentação ao som da música Chico Rei, do acreano Tião Natureza.

"Para o desenvolvimento desse espetáculo, há sempre um gasto muito grande, principalmente para a construção do figurino, que é onde precisamos investir mais. Como não temos patrocínio, corremos atrás de outras formas de arrecadação de recursos, como realização de bingos", lembrou

A Sassaricando na Roça, formada por moradores do Conjunto Nova Esperança, foi a contemplada com o segundo lugar do concurso, com o tema Água é Vida. Israel Silva, representante da quadrilha, comenta sobre as dificuldades financeiras em torno da vida de quadrilheiro e da satisfação com a premiação. "Como é do conhecimento de muitos, temos uma grande dificuldade em ser quadrilheiros, pois é muito difícil a arrecadação de recursos próprios", afirmou.

"Ficar em segundo lugar é uma grande satisfação, pois em 2007 ficamos em décimo lugar e passamos a nos dedicar bastante, ensaiando à noite, buscando patrocínio e analisando erros para podermos consertar. Subimos oito colocações em relação ao ano passado, então isso prova que nosso trabalho não foi em vão" finaliza.

Grande premiada da noite com o primeiro lugar, a quadrilha Pega-Pega abordou o tema O Verde é Nosso, Vamos Preservar, relevante ao contexto de destruição e devastação ambiental em que se vive atualmente. "Após a escolha temática do meio ambiente feita pela Liga de Quadrilhas, nós começamos a nos organizar e a pesquisar como poderíamos trabalhar esse tema", diz Adelcimar dos Santos, representante da Pega-Pega.

Em cima da frase O Verde é Nosso, Vamos Preservar, os quadrilheiros construíram o figurino, colorido em verde, amarelo, azul e vermelho, representando ainda a imagem do corte da seringueira nas camisas. "Essa é a terceira vez que ganhamos aqui, e é sempre uma emoção muito grande este ano, principalmente, pois interagimos com quadrilhas de outros municípios, mostrando que a cultura popular se faz presente em todo o Acre. O governo do Estado está de parabéns mais uma vez por esse grandioso evento, que a cada ano dá um show de organização."

A Pega-Pega que representa o Acre no Concurso Nacional em Goiânia, já se prepara para fazer bonito em sua apresentação. "Saber que nós vamos representar o Acre é muito gratificante. Nós nos preparamos para vencer aqui, e agora temos vinte dias para nos preparar e ficarmos entre os cinco primeiros colocados lá. E isso é algo que eu acredito que vamos conseguir" finaliza Adelcimar.

Integração – Foram cinco municípios participantes do concurso: Sena Madureira, Feijó, Brasiléia e Epitaciolândia e Tarauacá, que fez uma apresentação especial no sábado, 5, antes do show nacional e mais esperado do cantor paraense Pinduca, popularmente conhecido como Rei do Carimbó.

O presidente da Liga de Quadrilhas Juninas do Acre – LIQUAJAC, Aurimar Aragão, explica que a participação das quadrilhas do interior é devido o Arraial ter se tornado um evento estadual. "Nós começamos a fazer articulação dentro dos municípios para fortalecer a cultura junina, e principalmente para que outros municípios tivessem oportunidade de concorrer no Concurso Nacional como representante do Acre, já que antes eram apenas quadrilhas da capital e não era justo. Estamos junto com o Governo plantando a semente e vamos colher bons frutos".

No local, onde foi montada uma espécie de cidade cenográfica junina,  durante os seis dias do evento, o público participou de uma programação cultural que envolveu a apresentação de shows com artistas locais e nacionais, o tradicional concurso de quadrilhas, jogos e brincadeiras juninas entre outras, e aproveitou para saborear as receitas da culinária regional nas barracas montadas no espaço.

O Arraial Cultural é uma realização do Governo do Estado, através da Fundação Elias Mansour com o apoio da Prefeitura de Rio Branco, através da Fundação Garibaldi Brasil e da Liga das Quadrilhas Juninas do Acre.