Torneio promove interação entre adolescentes e agentes socioeducativos

O Centro de Apoio à Semiberdade, ao Egresso e Família (Casef) foi sede do primeiro Torneio de Futebol do Centro Socioeducativo (CS) Santa Juliana, neste domingo, 16. A atividade contou com a participação dos adolescentes e agentes socioeducativos da casa e do CS Aquiry. A disputa teve como principal objetivo a interação das equipes.

Torneio contou com a participação de mais de 30 adolescentes e socioeducandos (Foto: Brenna Amâncio/ISE)
Torneio contou com a participação de mais de 30 adolescentes e socioeducandos (Foto: Brenna Amâncio/ISE)

Ao todo foram formados sete times, com a participação de mais de 30 pessoas. No campo de areia, nenhum jogador profissional, mas a disposição deles até revelou alguns talentos. No gol, no ataque e na defesa, adolescentes e socioeducadores brincavam e disputavam em harmonia. Os que mostraram mais preparo em campo levaram medalha e troféu. No entanto, o maior prêmio para os internos foi a chance de ver o céu da manhã radiante, sem nenhuma grade entre eles.

“É como se estivesse brincando no bairro. Apesar de não ser bom de bola, não pude perder a oportunidade. Estar aqui é um voto de confiança que nos deram e só posso aproveitar e tentar ser um adolescente normal”, declarou Pedro (nome fictício), 17, interno do CS Santa Juliana.

O diretor da unidade e organizador do evento, Ednaldo Amaral, explica que o Torneio não poderia ser realizado na unidade Santa Juliana devido à estrutura. Por isso, trazê-los para o Casef e envolver outras equipes, tornou-se uma grande ideia. “Aqui temos um campo de areia em ótimas condições. Pegamos alguns meninos de cada ala e trouxemos para cá, com o objetivo de promover a interação”, afirma.

Torneio contou com a participação de mais de 30 adolescentes e socioeducandos (Foto: Brenna Amâncio/ISE)
Torneio contou com a participação de mais de 30 adolescentes e socioeducandos (Foto: Brenna Amâncio/ISE)

De acordo com o presidente do Instituto Socioeducativo (ISE), Henrique Corinto, o sucesso da atividade se deve ao desempenho da equipe de segurança. “Os agentes passaram a vivenciar a socioeducação e merecem todo o mérito por isso. Estão todos de parabéns. E o resultado disso virá no comportamento dos adolescentes dentro da unidade”, elogia.